Paraná

Órgãos captados de policial morto em Guarapuava beneficiarão oito pessoas, confirma hospital

orgaos-captados-de-policial-morto-em-guarapuava-beneficiarao-oito-pessoas,-confirma-hospital
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


A partir da captação, tempo para transplante varia entre horas e dias, conforme o órgão a ser transplantado. Enterro do cabo Ricieri Chagas está marcado para segunda (25). Cabo Ricieri Chagas morreu aos 48 anos
Divulgação
Teve sucesso a captação de órgãos do cabo Ricieri Chagas, policial militar que morreu em Guarapuava, na região central. Pelo menos oito pessoas serão beneficiadas, segundo informações do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP).
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
De acordo com a Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) do HSVP, foram captados as córneas, coração, rins, fígado, baço e linfonodos.
O cabo morreu no sábado (23) – ele foi atingido com um tiro na cabeça na tentativa de mega-assalto que acontece na cidade no domingo (17).
ASSISTA: Vídeo mostra homenagens a policial morto em Guarapuava
Confira a quantidade de pessoas beneficiadas por órgãos captados:
Córneas: duas pessoas beneficiadas;
Coração: duas pessoas, contando as válvulas, parte do órgão;
Rins: duas pessoas;
Fígado: uma pessoa;
Baço: uma pessoa;
Linfonodos: ainda sem especificação
Ainda de acordo com o CIHDOTT, cada órgão captado tem um tempo específico para ser utilizado em transplante, conforme determina uma portaria estadual.
As córneas, por exemplo, podem ser transplantadas em no máximo 14 dias. Rins, em no máximo 20 horas. Para fígado, o tempo é ainda menor: 12 horas.
Veja quem era o PM que morreu após ser baleado em ataque à empresa em Guarapuava
A captação dos órgãos foi iniciada no sábado (23), mas o hospital não confirmou que horário o procedimento foi completamente concluído.
Segundo o Governo do Estado, para ser doador, interessados precisam deixar as famílias avisadas, uma vez que, em caso de morte, são eles que precisam autorizar a captação dos órgãos nos hospitais.
Em 2021, segundo o Registro Brasileiro de Transplantes (RBT), da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), o Paraná teve 412 doações efetivas de órgãos, que resultaram em 1.468 transplantes, além de 395 procedimentos de medula óssea.
Velório e homenagens
Caixão do PM foi carregado por policiais da Choque. Velório foi no 16º BPM
Divonei Ravanello Júnior/RPC Guarapuava
O corpo do policial militar Ricieri Chagar é velado nesta tarde de domingo (24) na sede do 16º Batalhão da Polícia Militar em Guarapuava, região central do Paraná.
O sepultamento está marcado para segunda-feira (25), às 10h, no Cemitério do Distrito da Palmeirinha em Guarapuava.
Velório foi na sede do 16º BPM
Divonei Ravanello Júnior/RPC Guarapuava
Guarnições da Polícia Militar do Paraná e do Corpo de Bombeiros realizaram homenagens simultâneas em todo o estado à memória do cabo Ricieri Chagas. Assista abaixo.
Policiais fazem homenagens simultâneas no PR a PM que morreu em Guarapuava
Chagas ficou seis dias internado no Hospital São Vicente de Paulo. As homenagens a ele aconteceram às 10h30, por determinação do Comando-Geral da PM, mesmo horário em que foi declarada a morte cerebral do policial no sábado (23).
Policiais do batalhão de Chagas prestam as últimas homenagens ao cabo
Divonei Ravanello Júnior/RPC Guarapuava
O PM estava na viatura alvejada por criminosos na noite do último domingo (17), quando saia do 16º Batalhão da Polícia Militar (BPM), de acordo com o secretário de segurança pública, Coronel Romulo Marinho.
Além dele, outros dois policiais estavam na viatura. Um foi atingido na perna, passou por cirurgia e não corre risco de morrer. Outro foi atingido no peito, mas escapou porque estava de colete e o projétil atingiu um celular.
Próximo ao local do assalto, um civil também se feriu, mas passa bem. Leia mais abaixo.
Cabo Ricieri estava em viatura que foi alvejada por criminosos durante tentativa de mega-assalto, em Guarapuava
Divulgação/Redes Sociais
Até a publicação desta reportagem, a Polícia Militar continuava realizando buscas por suspeitos. Ninguém foi preso. Duas pessoas foram ouvidas como suspeitas, mas liberadas.
Luto oficial
O Governo do Estado do Paraná e a Prefeitura de Guarapuava decretaram luto oficial de três dias pela morte de Chagas.
Neste período, em sinal de respeito, a prefeitura informou que a bandeira municipal ficará hasteada a meio mastro em todos os órgãos públicos.
Em uma nota, o governador Ratinho Júnior (PSD) lamentou a morte, ressaltando que o cabo “foi atingido enquanto defendia a população paranaense, a serviço da polícia”, o que definiu como ato de bravura.
Da mesma forma, a Prefeitura de Guarapuava também se manifestou sobre o falecimento do cabo.
“Ricieri cumpriu seu dever de cidadão e policial de forma exemplar. Por sua dedicação e pelos excelentes servidos prestados a Polícia Militar e a comunidade, a administração municipal decreta luto oficial de três dias à sua memória”.
Confirmação da morte
Cabo Ricieri foi atingido com disparo na cabeça no domingo (17)
Divulgação/Redes Sociais
A morte de Chagas foi confirmada no início da tarde de sábado (23). O comunicado foi feito pelo novo comandante do 16º Batalhão de Polícia Militar (BPM), Major Flávio Ferraz, representando a família.
Ricieri foi a única vítima do ataque que morreu. O militar deixou a esposa e dois filhos.
A polícia lamentou a perda do militar, que estava na corporação havia 26 anos. A família autorizou a doação de órgãos do policial.
Comandante informa morte de policial baleado em tentativa de assalto em Guarapuava
O comandante do 16º Batalhão da PM, major Flavio Ferraz, foi um dos professores de Chagas quando o cabo entrou na Polícia Militar e, segundo o major, desde aquele momento se destacava como um bom policial.
“Ele era mais do que um policial, era um amigo. Sempre alegre, brincando. Quando tinha que ser sério, uma pessoa séria. Uma pessoa excepcional”, afirmou o comandante.
Viatura alvejada
Junto a Ricieri, outros dois policias e um cachorro estavam no veículo alvejado: o cabo Wendler, que não se feriu e foi salvo de um tiro de fuzil que acertou o celular dele; e o cabo José Douglas Bonato, que foi baleado na perna e recebeu alta do hospital. O animal não se feriu.
Todos eles deixavam a sede do 16º batalhão, em Guarapuava, quando foram surpreendidos por parte do grupo criminoso, que fez diversos disparos contra a viatura de acordo com o secretário de Estado Segurança Pública do Paraná, coronel Romulo Marinho Soares.
Cabo contou que viatura foi alvejada logo após policiais saírem do batalhão
Divulgação/Kallyne Chagas
Veja o que se sabe e o que falta esclarecer sobre o ataque
Entenda a cronologia da noite de terror em Guarapuava
Em um áudio, Bonato relatou o momento do ataque. “Eles atiram pra matar e não param”, contou. Bonato ainda faz menção ao cabo Ricieri Chagas. Ouça aqui.
“Dai eu pensei que eles ‘iam matar nós’ de vez ali cara. Só que eu não vi nada. Dai eu me joguei da viatura. E a viatura bateu, acho. Rastejei no mato e consegui forçar o torniquete. Só que daí eu desci da barca e pisei, dai eu acho que quebrou de vez a perna. Daí o Wendler [terceiro policial] não conseguiu me resgatar, mas fez certo, tocou pro hospital com o Ricieri”.
Policial que estava em viatura fuzilada relata terror em áudio
Criminosos deixaram para trás cerca de R$ 290 mil em armas em tentativa de assalto em Guarapuava, estima especialista
Um civil, que não teve o nome revelado, foi atingido dentro de casa. Ele mora próximo da transportadora de valores. Segundo a PM, ele recebeu atendimento médico e foi liberado.
Ataque em Guarapuava:
Delegado diz que vigilantes de empresa de valores trocaram tiros com criminosos em Guarapuava
Polícia encontra mais uma arma abandonada por criminosos: ‘Cada dia que passa, menor chance de encontrar suspeitos’, diz delegado
O ataque
A tentativa de assalto a uma transportadora de valores de Guarapuava, na região central, e o ataque ao 16ª Batalhão da Polícia Militar (BPM) do município, ocorreram de maneira simultânea na noite do último domingo (17).
A informação foi confirmada ao g1 pelo secretário de Estado Segurança Pública do Paraná, coronel Romulo Marinho Soares.
Ataque em Guarapuava
Reprodução
Um vídeo obtido com exclusividade pela RPC mostra que o grupo criminoso ficou por uma hora e meia em frente à transportadora. Conforme o horário indicado nas imagens, tem-se que viaturas da polícia aparecem na região à 0h45, quase uma hora após a saída dos suspeitos.
Vídeo mostra tiros, explosão e carros de criminosos por 1 h 30 na frente de transportadora de valores
Segundo o secretário, o intervalo de tempo entre a chegada dos assaltantes na cidade até a fuga, foi de cerca de cinco horas.
A polícia investiga a possível ligação do grupo que atuou na cidade em crimes similares em Criciúma (SC) e Araçatuba (SP).
LEIA TAMBÉM
Polícia troca comando de batalhão quatro dias após ataque
Criminosos deixaram para trás cerca de R$ 290 mil em armas, estima especialista
Dois homens são detidos por suspeita de envolvimento na ação criminosa e liberados
Arma abandonada em árvore é uma espingarda e foi roubada de empresa de valores, diz polícia
Entenda, abaixo, a ordem cronológica da noite de terror em Guarapuava:
Cronologia da tentativa de assalto em Guarapuava
Wagner Magalhães
VÍDEOS: os mais assistidos do g1 PR
v
Veja mais notícias da região em g1 Campos Gerais e Sul.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima