Paraná

‘Pane seca’: aumenta número de carros parados sem combustível nas estradas do Paraná

‘pane-seca’:-aumenta-numero-de-carros-parados-sem-combustivel-nas-estradas-do-parana
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


No feriadão da Páscoa, concessionária atendeu 55 casos em rodovias do Paraná, uma alta de 57% na comparação com o mesmo período de 2021. Aumenta número de carros parados sem combustível nas estradas
A concessionária Arteris, responsável por trechos da BR-376 e BR-116 na região de Curitiba, registrou no feriado da Páscoa alta de 57% no número de casos da chamada “pane seca”, quando o carro para de funcionar por falta de combustível, na comparação com o mesmo período do ano passado.
Nos quatro dias do feriado prolongado, a empresa atendeu 55 casos, contra 35 registrados em 2021.
Só no trecho da BR-376, que liga Curitiba a Santa Catarina, foram 42 atendimentos – uma média de dez veículos parados por dia devido à falta de combustível.
Por contrato, a concessionária é a responsável por retirar o veiculo parado na pista ou no acostamento e levar até um ponto de apoio mais próximo, normalmente um posto de combustíveis.
Na quinta-feira (21), um caminhão teve pane seca na descida da serra e parou sobre a sinalização na pista que indica o início da área de escape. Um guincho retirou o veículo meia hora após a parada.
Sem combustível, caminhão foi parar na área de escape
RPC Curitiba
Neste sábado (23), a RPC acompanhou na central outro atendimento. Um carro ficou parado no km 660 da BR- 376, na pista sentido Curitiba, também por combustível. Mais de uma hora depois, o veículo foi retirado pelo guincho.
Neste sábado (23), mais um caso de pane seca
RPC Curitiba
Ficar sem combustível gera risco de acidente por causa da parada repentina do veículo e é uma infração média prevista no Código de Trânsito Brasileiro, com multa de R$ 130 reais e quatro pontos na carteira
A especialista em trânsito Eliane Pietsak explica que, além da multa, o motorista também pode ter prejuízos com o veículo.
“Quando for colocado mais combustível, o que que vai acontecer: esse combustível, esse material decantado ele vai acabar entrando em circulação novamente e isso pode danificar filtro, pode trazer uma série de problemas que a pessoa não vai gostar e não vai ser barato para resolver”, alerta.
Ela ainda alerta para o fato de que o acostamento deve ser usado apenas para emergências que, segundo ela, não é o caso da pane seca.
VÍDEO: os mais assistidos do g1 PR
Mais notícias do estado em g1 Paraná.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima