Paraná

Três estudantes suspeitos de trote violento na UFPR em Palotina pagam fiança e deixam prisão

tres-estudantes-suspeitos-de-trote-violento-na-ufpr-em-palotina-pagam-fianca-e-deixam-prisao
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Caso foi registrado na quarta-feira (30), e três, dos quatro suspeitos, foram soltos na sexta (1º); grupo é investigado por trote que terminou com calouros vítimas de queimaduras. Vídeo mostra calouros passando cebola com boca em trote da UFPR
Três dos quatro estudantes suspeitos de lesão corporal e constrangimento a calouros durante trote na Univeridade Federal do Paraná (UFPR) de Palotina, no oeste do estado, deixaram a prisão sexta-feira (1º) após cada um pagar fiança de R$ 10 mil.
O g1 não teve retorno da defesa dos suspeitos até a publicação desta reportagem e não obteve informações sobre possível soltura do quarto estudante detido.
Os suspeitos que foram soltos saíram com monitoramento de tornozeleira eletrônica.
O trote, segundo a Polícia Civil, foi organizado por alunos do curso de medicina veterinária para recepcionar os novos estudantes do curso na quarta-feira (30). Veja outros detalhes mais abaixo.
Cerca de 20 alunos apresentam queimaduras após trote realizado na UFPR de Palotina
‘Todo mundo começou a reclamar que tava ardendo, que tava queimando’, relata calouro ferido em trote da UFPR
Os veteranos passaram nos estudantes um produto ainda não identificado que estava dentro de garrafas de creolina, de acordo com o delegado, Pedro Lucena, que investiga o caso.
Segundo a Polícia Civil, os suspeitos devem responder pelos crimes de lesão corporal e constrangimento.
Aluno de 19 anos sofreu queimaduras na nuca e nas costas
Reprodução
Exames no IML
Nesta sexta-feira, alunos feridos passaram por exames de lesão corporal no Instituto Médico-Legal de Toledo, também na região oeste. A Polícia Científica não informou quantos estudantes foram atendidos.
Vídeo mostra calouros pintados e ajoelhados em trote na UFPR; jovens queimados passam por exames no IML
Eles foram levados até o IML por um ônibus da UFPR e são acompanhados por um psicólogo e uma assistente social.
Estudantes são investigados por trote que terminou com calouros queimados, em Palotina
O que diz a UFPR
Em vídeo divulgado nesta sexta, o reitor da UFPR, Ricardo Marcelo da Fonseca, informou que a universidade tem prestado todo apoio aos alunos e alunas vítimas do trote e reforçou que a instituição não tolera
“A prioridade da universidade neste momento está sendo fazer um acompanhamento de perto destes estudantes que foram vítimas dessa violência no trote em Palotina. Professores de Medicina de Toledo, da parte de dermatologia, farão acompnhamento individualizado desses estudantes. Ao mesmo tempo, o atendimento psicossocial, já esta dando todo apoio. […] reiteramos que a universidade não tolera qualquer tipo de violência.”
Estudantes da UFPR de Palotina são feridos em trote com creolina
Correio do Ar
O trote
O trote com os calouros aconteceu na noite de quarta-feira em um terreno baldio há menos de 100 metros da entrada do campus de Palotina da UFPR.
Conforme a Polícia Civil, as vítimas relataram que, inicialmente, tiveram que pedir dinheiro pelas ruas da cidade. Depois, o grupo foi levado ao terreno e foi obrigado a se ajoelhar. Imagens mostram os calouros também ajoelhados passando uma cebola de boca em boca.
Lá, o produto que provocou as queimaduras teria sido derramado sobre os estudantes. O episódio foi relatado à polícia ainda na mesma noite.
Calouros sofrem queimaduras em trote da UFPR: o que se sabe e o que falta esclarecer
Segundo o Hospital Municipal de Palotina , para onde foram levados os alunos feridos, eles tiveram queimaduras de 1° e 2° grau. Uma aluna, segundo a instituição, chegou a inalar o produto e desmaiou.
Dos 21 estudantes que foram encaminhados ao hospital, 20 foram liberados ainda na noite de quarta. A jovem que inalou o produto, segundo o hospital, ficou em observação e teve alta na quinta.
A Polícia Civil investiga o caso e também apura os crimes de tortura e cárcere privado, caso os calouros tenham sido obrigados a permanecer em algum local, por exemplo.
VÍDEOS: mais assistidos do g1 PR
Veja mais notícias da região em g1 Oeste e Sudoeste.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima