Paraná

Justiça aceita denúncia, e mãe e padrasto de jovem autista encontrado morto viram réus

justica-aceita-denuncia,-e-mae-e-padrasto-de-jovem-autista-encontrado-morto-viram-reus
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Mãe e padrasto viraram réus por tortura, cárcere privado e fraude processual; padrasto também vai responder por homicídio qualificado. Padrasto e mãe de autista achado morto em Ponta Grossa viram réus
A Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR) e tornou réus a mãe e o padrasto do jovem autista do jovem autista encontrado morto dentro de casa em Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná.
Conforme decisão, Samuel de Jesus Silva e Renata Fernandes Quadros Borges vão responder pelos crimes de tortura, cárcere privado e fraude processual.
Laudo do IML aponta traumatismo craniano, lesões pelo corpo e desnutrição de Rômulo
O padrasto também virou réu por homicídio qualificado.
Rômulo Luiz Fernandes Borges foi encontrado morto dentro de casa em fevereiro. Segundo a polícia, ele era vítima de maus-tratos pelo casal desde 2018, com a escola onde ele estudava tendo feito denúncias ao MP-PR.
LEIA TAMBÉM:
Professoras de Rômulo falam ter feito denúncia: ‘Parecia que estava pedindo socorro’
Troca de mensagens mostra que entidade procurou mãe de autista para consultas e acompanhamento; veja
MP-PR recebeu em 2019 denúncia de maus-tratos; caso foi arquivado
O g1 tentou contato com a defesa do casal, mas não houve retorno até a publicação desta reportagem.
Em depoimento, padrasto diz que ‘às vezes era necessário colocar pano’ na boca de autista encontrado morto
De acordo com o inquérito da Polícia Civil, o menino era mantido amarrado e amordaçado dentro de um banheiro desativado com mofo e sem iluminação da residência e que sofria maus-tratos desde 2018.
Rômulo foi encontrado morto na sexta-feira (18) com um ferimento na testa, em Ponta Grossa
Reprodução/RPC
Laudo do IML
O laudo de necropsia do Instituto Médico-Legal (IML) apontou traumatismo craniano, lesões pelo corpo e também desnutrição de Rômulo.
Ainda conforme o relatório, Rômulo Luiz Quadros Borges morreu em 18 de fevereiro por conta de um traumatismo craniano causado por “ação contundente”, uma forte pancada.
O documento também mostra que o IML encontrou vários hematomas e lesões, algumas já cicatrizadas e outras recentes, no corpo do menino.
Além disso, o laudo de necropsia ressalta o grau de desnutrição em que Rômulo estava. Conforme o órgão, o jovem de 19 anos tinha 1,70 metro e pesava 50 quilos.
Veja mais notícias da região em g1 Campos Gerais e Sul.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima