Paraná

Gilmar Mendes manda processo da Operação Piloto para Justiça Eleitoral do Paraná

gilmar-mendes-manda-processo-da-operacao-piloto-para-justica-eleitoral-do-parana
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Beto Richa e outras cinco pessoas são réus na operação que apura esquema de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo duplicação do trecho da PR-323 entre Maringá e Francisco Alves. Defesa do ex-governador diz que decisão foi correta. Defesa pede transferência de Beto Richa para sala de Estado Maior; veja vídeo da audiência de custódia
RPC/Reprodução
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o processo da Operação Piloto seja encaminhado para a Justiça Eleitoral do Paraná. A decisão é de terça-feira (22).
A operação piloto apura um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo a Parceria Público Privada (PPP) para exploração e duplicação da PR-323, entre Maringá, no norte do Paraná, e Francisco Alves, no noroeste. A obra nunca saiu do papel.
O processo estava tramitando desde 2019 na Justiça Federal, em Curitiba. O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) e outras cinco pessoas são réus no processo acusadas pelo Ministério Público Federal (MPF) dos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e fraude a licitação.
Entre os réus, estava o empresário Luiz Abi Antoun, primo de Beto Richa, que morreu, em 8 de fevereiro deste ano, em um acidente na BR-163, em Itiquira, a 359 km de Cuiabá (MT).
De acordo com a denúncia, agentes públicos receberam valores da construtora Odebrecht em contrapartida ao possível direcionamento do processo licitatório da PR-323.
Operação apura esquema de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo duplicação do trecho da PR-323 entre Maringá e Francisco Alves
Reprodução/RPC
Segundo MPF, o nome da operação, que foi a 53ª etapa da Lava Jato, faz referência ao codinome usado nas planilhas da Odebrecht para se referir ao ex-governador.
Casos de caixa 2 ligados a outros crimes devem ser enviados à Justiça Eleitoral, decide STF
O juiz Paulo Sergio Ribeiro, da 23ª vara federal de Curitiba, ainda não foi notificado da decisão e, por isso, não encaminhou o processo para a Justiça Eleitoral.
Em geral, a Justiça Eleitoral tem penas mais brandas do que a comum.
A defesa do ex-governador Beto Richa afirmou que a decisão do ministro Gilmar Mendes foi correta.
Outros processos na Justiça Eleitoral
Em agosto do ano passado, a 2ª Turma do STF já havia decidido mandar para a Justiça Eleitoral os processos das operações Integração e Rádio Patrulha, deflagradas no Paraná. Veja sobre as operações mais abaixo.
Os ministros analisaram dois recursos da defesa de Beto Richa e do irmão dele, Pepe Richa, que estão entre os réus das ações.
Os advogados se basearam em uma decisão do STF, de março de 2019, que determinou que a Justiça Eleitoral tem competência para julgar crimes comuns que tenham relação com crimes eleitorais.
Operação Integração
A Operação Integração foi conduzida pela força-tarefa da Lava Jato, do Ministério Público Federal (MPF), em Curitiba. As investigações apuram um esquema de corrupção nos contratos de pedágio envolvendo agentes públicos e concessionárias, entre 1999 e 2018.
São dez ações penais tramitando na 23ª Vara da Justiça Federal de Curitiba. O ex-governador é réu em dois processos, nos quais é acusado de crimes de corrupção e organização criminosa. O irmão dele, que é ex-secretário estadual, também é réu.
Rádio Patrulha
A Operação Rádio Patrulha apura um suposto esquema de propina nas licitações do programa Patrulha do Campo, do Governo do Paraná, criado para recuperação de estradas rurais.
O processo da investigação tramita na 13ª Vara Criminal de Curitiba. Beto Richa, que chegou a ser preso nesta operação, responde por corrupção e fraude a licitação.
Vídeos mais acessados do g1 PR
Veja mais notícias do estado no g1 Paraná.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima