Paraná

Agente prisional e outras nove pessoas são alvos de operação contra esquema de propina em cadeias do Paraná, diz Gaeco

agente-prisional-e-outras-nove-pessoas-sao-alvos-de-operacao-contra-esquema-de-propina-em-cadeias-do-parana,-diz-gaeco
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Segundo o Gaeco, foram cumpridos, nesta quarta (16), dez mandados de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão, em Londrina, Apucarana, Arapongas, Faxinal e Jacarezinho. Esquema facilitava entrada de drogas e celulares nas unidades prisionais. Gaeco cumpre mandados no norte do Paraná
O principal investigado é um agente penitenciário, que era temporário. Segundo as investigações, ele usou o tempo de trabalho para facilitar a entrada de ilícitos das penitenciarias.
Um agente prisional, cinco detentos e quatro mulheres foram alvos de uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Londrina, no norte do Paraná.
Segundo o grupo, a investigação apura um esquema de propina para a entrada de drogas e celulares na Casa de Custódia e na Penitenciária Estadual de Londrina (PEL).
Agente penitenciário suspeito de praticar crimes em unidade prisional é preso, em Londrina, diz Gaeco
Dez mandados de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão foram cumpridos, nesta quarta-feira (16), em Londrina, Apucarana, Arapongas, Faxinal e Jacarezinho, ambas no norte do estado.
Dentre os mandados de prisão, seis deles foram contra pessoas que estavam presas na Casa de Custódia e na PEL.
Penitenciária Estadual de Londrina (PEL)
RPC/Reprodução
O principal investigado é um agente penitenciário, que era temporário. Segundo as investigações, ele usou o tempo de trabalho para facilitar a entrada de ilícitos nas penitenciarias.
“Tudo indica que ele apresentou vários crimes, a questão da corrupção, tráfico de drogas, que a gente conseguiu registrar que em pelo menos duas oportunidades ele recebeu de um desses familiares entregas de maconha, para isso ele recebia R$ 1 mil a cada 100 gramas de maconha, recebia de propina para facilitar essa entrada e, posteriormente, essa droga era revendida lá dentro”, disse o delegado do Gaeco Ricardo Jorge Pereira.
Os presos terão penas aumentadas após a conclusão da investigação, que apura crimes de associação para o tráfico, corrupção ativa e passiva, segundo o grupo.
Investigação
De acordo com o Gaeco, o esquema teve a participação de esposas e irmãs de cinco detentos, que também foram alvos da operação.
Três mulheres foram presas nas cidades de Arapongas, Jacarezinho e Apucarana. Uma delas mora em Faxinal, mas não foi encontrada.
“As mulheres, como estão fora, identificamos que uma era a que recebia a droga para o grupo para passar para o agente, as outras utilizavam suas contas para receber do comércio e pagar o agente prisional, que também utilizava da conta de outra pessoa”, disse o delegado.
A Operação Infiltrado é o desdobramento de um trabalho que começou em dezembro de 2021, quando agentes do Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (Depen-PR) encontraram uma arma irregular com o mesmo agente penitenciário investigado.
Na época, a polícia esteve na casa dele onde encontrou notas falsas, um celular e porcões de maconha parecidas com as encontradas dentro da cadeia.
Veja mais notícias da região no g1 Norte e Noroeste.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima