Paraná

Número de vacinados para doenças além da Covid-19 cai em todo Paraná; cobertura está em 55%, segundo o SUS

numero-de-vacinados-para-doencas-alem-da-covid-19-cai-em-todo-parana;-cobertura-esta-em-55%,-segundo-o-sus
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Aplicação da vacina contra paralisia infantil para crianças de quatro anos apresentou maior redução, caindo de 80% em 2019 para 41% em 2021. Ministério Público alerta para consequências legais de pais e responsáveis. Doses da polio podem ser aplicadas via vacina oral ou injeção, segundo o SUS
Divulgação/Prefeitura de Foz do Iguaçu/Arquivo
A adesão ao cronograma vacinal de pelo menos 12 imunizantes caiu de 88% em 2019 para 55% em 2021, no Paraná. Os dados são Ministério da Saúde.
A maior queda registrada, segundo o ministério, foi da vacina da poliomielite para crianças de quatro anos. Em 2019, a cobertura vacinal foi 87%. Em 2021, está em 41%. O imunizante combate a paralisia infantil.
Comparação vacinal no Paraná
Segundo o SUS, a cobertura vacinal é avaliada como boa quando passa de 85%. Quando os pais não sabem as datas do calendário nacional, só de levar criança e a carteirinha em uma unidade de saúde, os vacinadores saberão qual dose aplicar para cada faixa etária.
A médica infectologista Gabriela Margraf Gehring lembra que as vacinas, historicamente, trouxeram resultados positivos no Brasil.
CORONAVÍRUS NO PARANÁ: Veja as principais notícias
ACOMPANHE: Média móvel de mortes e casos no estado
VACINAÇÃO NO PARANÁ: Veja perguntas e respostas
MAPA: Veja onde se vacinar em Curitiba, no app Você na RPC
“É muito preocupante [a queda]. As crianças voltaram para as aulas e têm que estar com essa vacinação bem completinha para se protegerem de outras doenças que podem aparecer a qualquer momento”.
Obrigação legal
Segundo o Ministério Público, é obrigação legal dos pais e responsáveis levarem crianças e adolescentes para a vacinação. Há, inclusive, penalizações em casos de omissão.
Possíveis consequências legais, segundo o MP:
Infração às normas de proteção da criança e adolescente, com multa de 3 a 20 salários mínimos e o dobro em caso de reincidência;
Responder pelo crime previsto no Artigo 268 do Código Penal, com detenção de um mês a um ano;
Em casos mais graves, perda do poder familiar.
“Em caso de morte da criança ou adolescente por não vacinação, pode até mesmo caracterizar o crime de homicídio culposo”, detalhou David Kleber de Aguiar, promotor de justiça.
Segundo o Ministério Público, pessoas que saibam de pais ou responsáveis que não estão levando crianças e adolescentes para vacinação podem realizar denúncias junto ao próprio órgão ou, ainda, na Polícia Civil e Conselho Tutelar.
Vacinação de outras doenças está baixa no Paraná
Vídeos mais assistidos do g1 PR:
Veja mais notícias do estado em g1 Paraná.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima