Paraná

UFPR e UEL desenvolvem larvicida para combater mosquito da dengue

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Substância foi criada para ser mais econômica e para não afundar na água, sendo mais eficiente contra as larvas do que outras substâncias. UFPR e UEL criam produto para combater a dengue
A Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a Universidade Estadual de Londrina (UEL) desenvolveram um larvicida para combater o mosquito Aedes aegypti , que transmite a dengue. A substância, segundo a pesquisa das universidades, foi criada para ser mais eficiente e econômica que outros produtos que já existem.
A maior inovação da pesquisa é balancear uma medida certa de proteínas na substância para que ela não afunde na água após ser aplicada.
As substâncias se transformam em uma espécie de boia, que impede que as larvas se desenvolvam em mosquitos.
“Essa é a grande diferença, porque os larvicidas que são a base dessa proteína com o tempo saem da superfície da água e mudam a densidade. Acontece que as larvas estão constantemente na superfície da água”, explicou Francisco de Assis Marques, professor e pesquisador do departamento de química UFPR
Foram cinco anos de pesquisa para desenvolver o método.
Produto desenvolvido pela UFPR e UEL não afunda na água
Reprodução/RPC
Testes
O produto foi testado em caixas d’água de Londrina, no norte do estado. Usando 1 grama em 500 litros de água, larvas foram eliminadas por dois meses.
Agora, o produto deve passar por uma nova rodada de testes, desta bem em larga escala.
O larvicida vai ser usado em Sorriso, no Mato Grosso, onde foram registrados mais de 900 casos de dengue no primeiro semestre do ano.
“Então vai ser feito em Sorriso o que foi feito com a vacina. Vamos fazer o monitoramento na cidade, detectar os bairros que tem alta infestação, quais as características físicas destes bairros, quais os nichos de procriação das larvas, onde elas estão instaladas e fazer um estudo para aplicar este larvicida da melhor maneira possível”, afirmou o pesquisador.
VÍDEOS: Mais assistidos do g1 PR
Veja mais notícias da região em g1 Paraná

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima