Mais de 1,5 mil moradores de Campina Grande do Sul estão com 2ª dose de vacina contra Covid atrasada, diz prefeitura

mais-de-1,5-mil-moradores-de-campina-grande-do-sul-estao-com-2a-dose-de-vacina-contra-covid-atrasada,-diz-prefeitura
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Prefeitura alega demora na entrega dos imunizantes da Astrazeneca, mas Secretaria de Saúde do Paraná rebate e diz que doses para segunda aplicação foram enviadas; atraso passa de 20 dias. Moradores que deveriam ter recebido segunda dose no dia 18 de outubro não foram imunizados
Jonathan Campos/AEN-Paraná
Mais de 1,5 mil moradores de Campina Grande do Sul, Região Metropolitana de Curitiba, estão com a segunda dose da vacina contra a Covid-19 atrasada, do imunizante Astrazeneca, segundo a prefeitura.
Há pacientes que deveriam ter sido vacinados no dia 18 de outubro e não foram atendidos. A administração municipal alega que o problema se dá pela não entrega de novas remessas pela FioCruz, que produz as doses.
A prefeitura informou, ainda, que enviou ofício a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), no dia 11 de outubro, alegando a necessidade de novos imunizantes. A secretaria, por sua vez, disse que quando as doses para primeira aplicação são enviadas, a segunda dose está assegurada, conforme o tempo preconizado pelo Ministério da Saúde (MS).
CORONAVÍRUS NO PARANÁ: Veja as principais notícias
ACOMPANHE: Média móvel de mortes e casos no estado
VACINAÇÃO NO PARANÁ: Veja perguntas e respostas
Com isso, de acordo com a Sesa, as vacinas para a segunda dose foram distribuídas e pode ter ocorrido um manejo equivocado na utilização delas como primeira aplicação, o que teria causado o atraso. A previsão, de acordo com o órgão, é que uma nova remessa de vacina da Astrazeneca chegue na semana que vem, segundo o ministério.
Espera
Embora o atraso não atrapalhe na eficácia da imunização completa, segundo o Ministério da Saúde, o receio dos moradores é de não estarem com a proteção em dia.
A analista comercial Jolene Camargo, de 35 anos, moradora do bairro Jardim Paulista, deveria ter completado a imunização no dia 18 de outubro.
“É um atraso grande e é necessário cobrar o município, porque alguma coisa precisa ser feita. A gente sempre ouve que precisa da segunda dose para ter a eficácia completa e estamos esperando”, afirmou Jolene.
Carteira de vacinação de Jolene mostra que segunda dose deveria ter sido aplicada em 18 de outubro
Arquivo Pessoal
O marido de Jolene, Diogo Dalla Vechia, de 38 anos, também deveria ter recebido a segunda dose há mais de 20 dias.
“Ele recebeu a primeira dose no dia 27 de julho e eu no dia 28. Estamos aqui na espera, mas até agora nada”, disse Jolene.
O operador de máquinas Bruno Henrique da Rocha, de 33 anos, mora no bairro Jardim Ipanema. Ele deveria ter recebido a segunda dose no dia 19 de outubro, conforme a carteira de vacinação.
“Muitas pessoas ainda não tomaram a segunda dose e até então a gente não tinha uma resposta. A preocupação é muito grande”, descreveu.
Ministério da Saúde
A reportagem entrou em contanto com o Ministério da Saúde para confirmar a previsão de chegada de uma nova remessa de Astrazeneca ao Paraná para semana que vem, conforme informado pela Sesa. Até a publicação desta reportagem, o g1 não havia recebido retorno.
VÍDEOS: mais assistidos do g1 PR
Veja mais notícias do estado em g1 Paraná.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima