Destaques, Notícias, Toledo

Ação em nascente na Localidade de Três Bocas marca retomada do Programa de Recuperação

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

O Programa de Recuperação de Nascentes, desenvolvido pela Secretaria Municipal do Desenvolvimento Ambiental e Saneamento (SMDAS) e demais parceiros, havia suspendido as ações práticas em função da pandemia do coronavírus. Nesta terça-feira (30) este trabalho foi retomado na Localidade de Três Bocas, no interior de Toledo, numa área de preservação de propriedade da Cooperativa Primato. A ação envolveu técnicos do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR), das secretarias municipais de Educação e Desenvolvimento Ambiental e Saneamento, voluntários da Cooperativa e de propriedades vizinhas.

O objetivo da retomada do Programa pela SMDAS é recuperar nascentes localizadas em área rural ou urbana, de propriedades privadas e públicas com propósito de melhorar a qualidade e quantidade de água potável disponível e concomitantemente sensibilizar produtores rurais e/ou proprietários urbanos de áreas com nascentes degradadas para proteger e recuperar esses ecossistemas e biodiversidade local.

O vice-prefeito de Toledo, Ademar Dorfschmidt, falou que independente da origem, religião, afinidade política ou outras diferenças, as pessoas precisam amar Toledo e todas as suas potencialidades, pois é a cidade em que vivemos. E o cuidado com os recursos naturais é uma premissa básica. “Nós temos essa riqueza hídrica no país, temos que valorizar e proteger”, pontuou.

O presidente da Primato Cooperativa e anfitrião, Anderson Sabadin, manifestou a necessidade de unir forças para que as nascentes sejam preservadas e outras ações de educação ambiental aconteçam. “Nós vivemos em um período de escassez hídrica, só quem passa por isso sabe como é. E quando você vive o problema na pele é que começa a pensar no que fazer. Temos que valorizar as nossas fontes e as nossas nascentes”, frisou

A coordenadora de Ciências e Educação Ambiental da Secretaria de Educação, Sandra Kopeginski, exemplificou a repercussão do trabalho realizado nesta terça-feira (30): “se eu trabalho com meu estudante a importância da água e a necessidade do cuidado, ele vai me questionar quem está cuidando? Então, quando vejo uma parceria entre o poder público e privado para ações coletivas nesse sentido eu tenho o que responder para meu aluno”, disse a professora.

A coordenadora das Centrais de Valorização e Educação Ambiental, Thaísa Dullius, disse que com os trabalhos de recuperação de nascentes paralisados no período da pandemia, houve um acúmulo na demanda de produtores interessados em desenvolver a ação em suas propriedades. “Já temos uma fila de produtores que querem fazer parte do programa de recuperação de nascentes. Felizmente estamos retomando os trabalhos a partir desta ação prática. O mais importante é sensibilizar as pessoas sobre a importância deste cuidado”, informou Thaísa.

Segundo consta no projeto, a recuperação de nascentes nas propriedades rurais e urbanas é de fundamental importância, pois a água é um recurso natural insubstituível para a sobrevivência das diferentes formas de vida e manutenção da vida na terra. De igual forma é também um recurso que, cada vez mais, sustenta distintas atividades econômicas locais.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima