Mundo

Confronto na Esplanada das Mesquitas de Jerusalém deixa feridos; entenda escalada de conflitos no Oriente Médio

confronto-na-esplanada-das-mesquitas-de-jerusalem-deixa-feridos;-entenda-escalada-de-conflitos-no-oriente-medio
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Polícia israelense entrou no local, o 3º mais sagrado do Islã e o mais importante para judeus, para prender manifestantes que carregavam pedras.Mais de 20 pessoas ficaram feridas; 18 foram detidas. Na sexta-feira (15), conflito no local deixou 150 feridos. Policiais israelenses disparam balas de borracha contra manifestantes palestinos que carregavam pedras
Ammar Awad/ Reuters
Mais de 20 pessoas ficaram feridas e 18 foram detidas neste domingo (17) em confrontos dentro da Esplanada das Mesquitas de Jerusalém, em Israel. Forças de segurança do país e manifestantes palestinos voltaram a se enfrentar. A polícia entrou no local, o terceiro mais sagrado para o Islã, sob a alegação de que homens carregavam pedras para jogar contra judeus que entrassem na esplanada.
A Esplanada das Mesquitas é também considerada o local mais sagrado para os judeus, que chamam o lugar de Monte dos Templos. A população judaica pode entrar na esplanada em horários específicos, mas é proibida de rezar ali.
O local, que fica na Cidade Velha de Jerusalém Oriental, uma área palestina ocupada por Israel desde 1967, foi também palco de confrontos violentos na sexta-feira (15), que terminaram com 152 feridos. Os confrontos ocorrem em um momento de escalada de conflitos no Oriente Médio.
Homem ferido na Esplanada das Mesquitas neste domingo (17) é levado para hospital
Reuters
“Al-Aqsa (nome dado também em árabe à Esplanada das Mesquitas) é nossa, apenas nossa, e os judeus não têm absolutamente nenhum direito sobre este lugar”, declarou em nota o chefe do braço político do Hamas, Ismail Haniyeh.
Também em comunicado, o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, afirmou que “as forças de segurança têm carta branca para (…) garantir a segurança dos cidadãos israelenses”.
Veja mais:
Dois mortos e sete feridos em ataque em Tel Aviv
Forças israelenses matam dois palestinos em confrontos na Cisjordânia
Turquia condena “intervenção”
O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, criticou o governo de Israel pelo que chamou de “intervenção e provocação inaceitável a fieis” na mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém. A declaração eleva as tensões entre Ancara e Tel Aviv, que nas últimas semanas vinham tecendo diálogos para melhorar a relação dos dois países.
“A Turquia sempre apoiará a Palestina”, afirmou Erdogan.
Escalada de conflitos
Confronto entre palestinos e forças de segurança de Israel deixam mais de 150 em local sagrado de Jerusalém
Os conflitos entre judeus e palestinos em Israel na região da Cisjordânia se intensificaram nas últimas semanas. Desde janeiro, a polícia israelense matou pelo menos 25 pessoas, e atiradores palestinos deixaram 14 israelenses mortos em ataques.
O governo de Israel alega estar respondendo ao crescimento de ataques pontuais de palestinos. Na semana passada, o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, liberou restrições às forças de segurança que lutam contra o que ele classificou como “uma nova onda de terrorismo”. Com isso, policiais começaram a ter mais poder de repressão em ações chamadas de “contraterrorismo”.
Na última delas, forças israelenses mataram dois palestinos na quinta-feira (14) em operações na Cisjordânia. O Exército israelense alegou que soldados responderam a ataques de dezenas de pessoas durante “atividades de contraterrorismo”.
Este ano, as tensões aumentaram também na Esplanada das Mesquitas porque a Páscoa cristã coincidiu com as celebrações judaicas de Pessach e o Ramadã, o mês sagrado dos muçulmanos.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima