Mundo

França vai às urnas em eleição presidencial; pesquisas indicam Macron e Le Pen no 2º turno

franca-vai-as-urnas-em-eleicao-presidencial;-pesquisas-indicam-macron-e-le-pen-no-2o-turno
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Projeções mostram que Emmanuel Macron tem 25% dos votos no primeiro turno, e Marine Le Pen, 24%. A pesquisa do segundo turno aponta ele com 51%, e ela com 49%. Emmanuel Macron e Marine Le Pen são os favoritos nas eleições que acontecem neste domingo (10), para definir quem serão os dois candidatos que vão se enfrentar no segundo turno, marcado para o dia 24 de abril.
Caso as pesquisas se confirmem nas urnas, será uma reedição da votação de 2017 na qual Macron foi eleito com 66% dos votos. Desta vez, no entanto, a vantagem dele parece ser menor do que da primeira vez.
Uma pesquisa apontou que os dois estão quase empatados no primeiro turno. Os dados da Elabe Opinion, divulgada pela TV BFM na sexta-feira (8), são os seguintes:
Emmanuel Macron (Em Marcha!): 25%
Marine Le Pen (Assembleia Nacional): 24%
Jean-Luc Mélenchon (França Insubmissa): 17,5%
Eric Zemmour (Reconquista): 8,5%
Valerie Pecresse (Sejamos Livres): 8%
Eleições na França: conheça quem está na disputa
A mesma pesquisa fez uma projeção do segundo turno. Os resultados foram os seguintes:
Emmanuel Macron (Em Marcha!): 51%
Marine Le Pen (Assembleia Nacional): 49%
Na sexta-feira (8), o último dia de campanha, Macron fez um apelo aos eleitores mais jovens e mais progressistas.
“Nós começamos o trabalho de corrigir as desigualdades sociais em sua raiz, mas estamos longe de sermos bem-sucedidos”, ele afirmou em uma entrevista.
Ele também prometeu fazer mais para combater as mudanças climáticas.
Emmanuel Macron em campanha, em 5 de abril de 2022
Stephane Mahe/Reuters
Segundo a agência de notícias Reuters, há uma sensação de desconforto entre os apoiadores do centrista Macron.
A agência ouviu pessoas que trabalham na campanha, e elas afirmaram, sob condição de não terem seus nomes revelados, que o atual presidente precisa ampliar sua base antes mesmo do primeiro turno, porque se ele não for o mais bem colocado, sua adversária vai entrar na segunda fase da campanha em alta (serão apenas duas semanas entre as duas votações).
Le Pen tenta uma mudança de imagem
Marine Le Pen baseou sua campanha neste ano no tema do poder de compra. Essa foi uma forma de suavizar a própria imagem. Ela prometeu cortar impostos e aumentar alguns benefícios sociais.
No passado, o partido dela, o Assembleia Nacional, era conhecido pela xenofobia.
Marine Le Pen em evento de campanha, em 8 de abril de 2022
Lionel Bonaventure/AFP
A intenção de voto em Le Pen mostra que ela foi bem-sucedida na tentativa de suavizar a imagem do partido dela, que é de extrema-direita, sem mudar a essência, que é ser contra imigrantes.
As pesquisas mostram que ela tem cerca de 24% dos votos.
Em um segundo turno com Macron, ela alcança índices entre 47% a 49% —portanto, com a margem de erro, ela está empatada, e os eleitores indecisos podem trazer uma surpresa.
Cenário surpresa: Macron e Mélenchon
Jean-Luc Mélenchon, o único candidato de esquerda que aparece bem nas pesquisas de intenção de votos, está em terceiro, com tendência de alta.
Mélenchon é do partido França Insubmissa.
Jean-Luc Mélenchon durante discurso em 5 de abril de 2022
Sameer Al-Doumy/ AFP
O partido de esquerda mais tradicional do país, o Partido Socialista, não tem conseguido mais boas votações. O Partido Verde também não conseguiu uma grande base nos últimos anos.
Assim, a esquerda francesa passou a apoiar Mélenchon nessas eleições presidenciais.
As pesquisas indicam que ele tem uma votação entre 14% e 17% dos votos. Ele conseguiu crescer: em janeiro, pontuava no máximo 10%.
As pesquisas indicam que Macron o derrotaria facilmente em um segundo turno.
Improvável: Macron versus Zemmour
Eric Zemmour ficou conhecido na França como um comentarista de programas televisivos. Ele tenta se mostrar como alguém da direita “anti-establishment”, como Donald Trump foi nos Estados Unidos, que iria salvar o país dele de uma suposta ameaça do islamismo.
Eric Zemmour faz gesto obsceno, em novembro de 2021
Nicolas Tucat/AFP
No começo da campanha ele chegou a ir bem nas pesquisas —havia indicações de que ele poderia chegar ao segundo turno. No entanto, ele não formulou propostas para temas que não sejam imigração e segurança. Além disso, deu declarações sobre a guerra na Ucrânia que o atrapalharam.
As pesquisas agora mostram que ele tem de 9% a 11% dos votos. Macron o derrotaria com folga em um segundo turno.
Improvável: Macron versus Pecresse
Valerie Pecresse é a chefe do governo da região de Paris. Ela se descreve como uma mistura de Margaret Thatcher com Angela Merkel.
Ela concorre pelo partido Os Republicanos.
Valerie Pecresse se encontra com apoiadores em 8 de abril de 2022
Nicolas Tucat/AFP
Como ela divide eleitores de centro-direita com Macron, ela não conseguiu crescer nas pesquisas. Ela aparece com uma votação entre 8% e 10%.
Nenhuma pesquisa de intenção de voto prevê que Macron estará fora do segundo turno em 24 de abril.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima