Mundo

EUA dizem que Exército de Mianmar cometeu genocídio em ataque generalizado e sistemático a minoria muçulmana

eua-dizem-que-exercito-de-mianmar-cometeu-genocidio-em-ataque-generalizado-e-sistematico-a-minoria-muculmana
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Ataques contra os rohingya foram generalizados e sistemáticos e que as evidências apontam para uma intenção clara de destruir a minoria. Oposição faz “greve silenciosa” para marcar um ano do golpe militar em Mianmar
Os Estados Unidos definiram formalmente que o Exército de Mianmar cometeu genocídio e crimes contra a humanidade em uma campanha violenta contra a minoria rohingya, afirmou o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, nesta segunda-feira (21).
Blinken disse ainda que enquanto a junta militar estiver no poder, ninguém no país estará seguro.
Compartilhar pelo WhatsApp
Compartilhar pelo Telegram
Ao anunciar a decisão, Blinken disse que os ataques contra os rohingya foram generalizados e sistemáticos e que as evidências apontam para uma intenção clara de destruir a minoria (os rohingya são majoritariamente muçulmanos). 
Leia também
A perigosa jornada de refugiados rohingya que enfrentam o mar em busca de segurança
Refugiados rohingya pedem R$ 850 bilhões de indenização ao Facebook por discurso de ódio em Mianmar
Refugiados rohingya que fugiram de Mianmar são vistos perto de Cox’s Bazar, em Bangladesh, em 10 de outubro de 2017
Reuters/Damir Sagolj/File Photo
Punição a generais
A definição pode impulsionar as iniciativas para responsabilizar os generais de Mianmar e prevenir novas atrocidades, segundo acreditam as autoridades norte-americanas. Ativistas saudaram a medida, mas pediram medidas concretas, como sanções mais duras à junta militar. 
Em seu discurso no Museu Memorial do Holocausto em Washington, o principal diplomata norte-americano leu em voz alta relatos assustadores e trágicos de vítimas, que sofreram estupros, tortura e tiros na cabeça.
As Forças Armadas de Mianmar iniciaram uma operação militar em 2017 que forçou pelo menos 730 mil rohingya a deixarem suas casas e fugirem para o vizinho Bangladesh. Em 2021, os militares do país tomaram o poder em um golpe. 
“Desde o golpe, estamos vendo as forças militares birmanesas utilizarem as mesmas táticas. Apenas agora os militares estão atacando qualquer um na Birmânia que veem como de oposição ou prejudicial ao seu comando repressor”, disse Blinken. “Para os que não entenderam antes do golpe, a violência brutal empregada pelas forças militares desde fevereiro de 2021 deixou claro que ninguém na Birmânia estará a salvo das atrocidades enquanto eles estiverem no poder”, acrescentou. 
Veja os vídeos mais assistidos do g1

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima