Mundo

Biden diz que EUA terão novo posicionamento sobre agressão às mulheres

biden-diz-que-eua-terao-novo-posicionamento-sobre-agressao-as-mulheres
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Presidente americano disse que pretende mudar a cultura do país, não apenas as leis. Nos EUA, todos os meses, uma média de 70 mulheres são baleadas e/ou mortas por um parceiro íntimo Joe Biden durante discurso em evento que celebrava o mês histórico das mulheres, nesta terça-feira (15)
LEAH MILLIS/Reuters
O presidente americano, Joe Biden, disse nesta quarta-feira (16) que é hora de mudar a cultura e não apenas a lei dos EUA para acabar com a violência contra as mulheres. O discurso foi dito durante celebração de proteções ampliadas para sobreviventes de agressão sexual e violência doméstica.
Nesta terça, Biden já havia assinado um projeto de lei de gastos que incluía a renovação da Lei de Violência Contra a Mulher. Essa medida irá fornecer mais recursos e programas de treinamento para a aplicação da lei, por exemplo.
Todos os meses, uma média de 70 mulheres são baleadas e/ou mortas por um parceiro íntimo nos Estados Unidos, de acordo com um novo relatório que afirma que a violência por parceiro íntimo e a violência armada nos EUA estão ligadas.
Especialistas dizem que as ordens de permanência em casa relacionadas ao surto de pandemia de Covid-19 parecem ter contribuído para um aumento na violência doméstica.
“Mudança na cultura, não apenas na lei”, disse Biden em um evento na Casa Branca com a presença de defensores, sobreviventes de abuso e legisladores.
“Realmente não faz muito tempo que este país evita falar sobre violência contra as mulheres, muito menos sobre ser uma epidemia nacional. Como sociedade, nós literalmente desviávamos o olhar”, comentou o presidente.
Biden disse que a lei agora fará mais pelos sobreviventes em áreas rurais e em comunidades carentes. Por exemplo, os tribunais regionais poderão agora exercer jurisdição sobre perpetradores não-nativos para crimes de agressão sexual e tráfico sexual, disse ele.
Como senador, Biden ajudou a elaborar o projeto de lei, que foi originalmente sancionado em 1994. Ele expirou sob o então presidente Donald Trump em 2019.
Em 2018, os Estados Unidos foram nomeados como a única nação ocidental entre os 10 países mais perigosos para as mulheres. Os dados foram coletados durante uma pesquisa da Thomson Reuters Foundation com especialistas globais, depois que a campanha #MeToo desencadeou uma enxurrada de reclamações sobre assédio e agressão sexual.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima