Mundo

Microsoft suspende vendas de produtos e serviços na Rússia

microsoft-suspende-vendas-de-produtos-e-servicos-na-russia
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Empresa já havia derrubado conteúdos e aplicativos de duas redes de notícias financiadas pelo governo russo. Fachada da Microsoft em Los Angeles.
REUTERS/Lucy Nicholson
A Microsoft anunciou nesta sexta-feira (4) que está suspendendo novas vendas de produtos e serviços na Rússia. A empresa se junta a outras que adotaram medidas semelhantes, após a invasão russa à Ucrânia.
“Como o resto do mundo, estamos horrorizados, indignados e entristecidos pelas imagens e informações que nos chegam da guerra na Ucrânia e condenamos essa invasão injustificada, não provocada e ilegal da Rússia”, disse Brad Smith, presidente da Microsoft, em nota.
Como as empresas de tecnologia se posicionam na guerra na Ucrânia
Airbnb anuncia suspensão de operações na Rússia e Belarus
A empresa não especificou o termo “novas vendas”, nem o que pretende fazer com itens que já estão em lojas russas, mas ainda não foram vendidos. Consultada pela AFP, a empresa não comentou a possibilidade de continuar a vender produtos em estoque.
As redes Russia Today (RT) e Sputnik, ambos financiados pelo governo russo, já tinham sido penalizadas com a retirada de conteúdos dos aplicativos de notícias da Microsoft e a derrubada de seus aplicativos da loja do Windows.
No comunicado, Smith disse que a Microsoft está encerrando “muitos aspectos de [suas] atividades na Rússia de acordo com as sanções decididas pelos governos”, mas não entrou em detalhes. A empresa destacou que tem ajudado a Ucrânia a se proteger de ciberataques russos.
“Desde o início da guerra, agimos contra as medidas russas para controlar, destruir ou afetar mais de 20 organizações governamentais, tecnológicas e financeiras ucranianas”, disse Smith.
Por meio de sua organização humanitária, a Microsoft afirma colaborar com a Cruz Vermelha e as agências de refugiados da ONU com apoio financeiro e tecnológico.
Outros gigantes da tecnologia adotaram medidas contra Moscou nos últimos dias. A Apple parou de vender iPhones e tablets no país, enquanto plataformas como Facebook, YouTube e Twitter proíbiram conteúdos da imprensa estatal russa.
Initial plugin text

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima