Mundo

Amendoim, adubo, máquinas: veja os principais produtos do comércio do Brasil com Rússia e Ucrânia

amendoim,-adubo,-maquinas:-veja-os-principais-produtos-do-comercio-do-brasil-com-russia-e-ucrania
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Risco de reflexo negativo na economia brasileira tem sido apontado pelo presidente Jair Bolsonaro como justificativa para não condenar invasão da Ucrânia pela Rússia. A guerra na Ucrânia, iniciada pela Rússia na quinta-feira passada (24), pode trazer consequências diretas para a economia brasileira.
Além de reflexos no preço do petróleo e dos alimentos, que devem gerar inflação no Brasil, o governo tem demonstrado especial preocupação com o impacto da guerra no setor agrícola.
Esse temor ocorre porque a Rússia é um dos principais fornecedores de fertilizantes. Cerca de 30% de tudo o que o Brasil compra desse produto no exterior vem de lá.
Em fevereiro, antes da invasão russa à Ucrânia, o presidente Jair Bolsonaro se encontrou com Vladimir Putin, em Moscou, para discutir, entre outros assuntos, o fornecimento de fertilizantes a produtores brasileiros.
Depois que a Rússia deu início à guerra, Bolsonaro, apesar de pressões dentro e fora do país, tem evitado condenar a invasão justificando os prejuízos que isso pode trazer à economia brasileira.
Valdo: Bolsonaro teme que sanções à Rússia prejudiquem o Brasil
Segundo o Blog do Valdo Cruz, diplomatas brasileiros também têm demonstrado temor de que as sanções financeiras impostas à Rússia por potências como EUA, Inglaterra, França e Alemanha inviabilizem a importação de fertilizantes e de trigo pelo Brasil.
Mas, além de fertilizantes, quais outros produtos fazem parte atualmente do comércio do Brasil com a Rússia e a Ucrânia?
Rússia
No ano passado, a Rússia exportou US$ 5,7 bilhões em produtos para o Brasil, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia. O valor mais do que dobrou em relação a 2020 (US$ 2,7 bilhões).
Com isso, a Rússia alcançou o posto de sexto maior exportador para o Brasil no ano passado.
Entretanto, esses US$ 5,7 bilhões correspondem a 12% do total comprado da China, nosso maior parceiro comercial (US$ 47,6 bilhões); e a 14,5% do exportado pelos EUA, o segundo maior parceiro, ao Brasil (US$ 39,4 bilhões).
Dos US$ 5,7 bilhões vendidos para o Brasil em 2021, US$ 3,5 bilhões (61,4%) foram em adubos e fertilizantes químicos. A Rússia responde, ainda, por cerca de 31% do total de adubos e fertilizantes comprados pelo Brasil.
Já o Brasil vendeu US$ 1,6 bilhão em produtos para os russos em 2021, o que colocou o país comandado por Vladimir Putin como o 36º colocado no ranking de exportações brasileiras.
Veja a lista dos principais produtos comercializados entre Brasil e Rússia:
Exportações do Brasil para Rússia:
soja, mesmo triturada – US$ 343,3 milhões, 0,89% do total exportado;
carnes e miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas, das aves da posição –US$ 167,2 milhões, 2,40% do total exportado;
café, mesmo torrado ou descafeinado; cascas e películas de café; sucedâneos do café contendo café em qualquer proporção – US$ 132,8 milhões, 2,28% do total exportado;
amendoins não torrados nem de outro modo cozidos, mesmo descascados ou triturados – US$ 129,7 milhões, 39,25% do total exportado;
açúcares de cana ou de beterraba e sacarose quimicamente pura, no estado sólido – US$ 127 milhões, 1,38% do total exportado.
Bulldozers, angledozers, niveladoras, raspo-transportadoras (scrapers), pás mecânicas, escavadoras, carregadoras e pás carregadoras, compactadores e rolos ou cilindros compressores, autopropulsores – US$ 51,4 milhões, 2,26% do total exportado.
Exportações da Rússia para o Brasil:
adubos (fertilizantes) minerais ou químicos – US$ 3,5 bilhões, 31% do total exportado;
hulhas (carvão negro); briquetes, bolas e combustíveis sólidos semelhantes, obtidos a partir da hulha – US$ 480,1 milhões, 17,33% do total exportado;
óleos de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos – US$ 432, 7 milhões, 3,22% do total exportado;
produtos semimanufaturados de ferro ou aço não ligado – US$ 368,2 milhões, 60,45% do total exportado;
alumínio em formas brutas – US$ 142,8 milhões, 9,60% do total exportado.
Ucrânia
A Ucrânia, por sua vez, tem menor destaque na balança comercial brasileira. O Brasil vendeu US$ 227 milhões para o país em 2021, e importou US$ 211 milhões em produtos.
As vendas para a Ucrânia respondem por 0,08% do total exportado pelo Brasil no ano passado. Já as importações equivalem a 0,09% do total.
Apesar do volume total modesto, a Ucrânia é o principal fornecedor para o Brasil de ferro fundido bruto e de uma liga chamada ferro especular.
No ano passado, 99,76% desse tipo de produto foi importado da Ucrânia, movimentado US$ 11,7 milhões.
Veja a lista dos principais produtos comercializados entre Brasil e Rússia:
Exportações do Brasil para a Ucrânia:
amendoins não torrados nem de outro modo cozidos, mesmo descascados ou triturados – US$ 29,2 milhões, 8,83% do total exportado;
açúcares de cana ou de beterraba e sacarose quimicamente pura, no estado sólido – US$ 25,2 milhões, 0,27% do total exportado;
minérios de alumínio e seus concentrados – US$ 24,5 milhões, 13,30% do total exportado;
aparelhos mecânicos (mesmo manuais) para projetar, dispersar ou pulverizar líquidos ou pós; extintores, mesmo carregados; pistolas aerográficas e aparelhos semelhantes; máquinas e aparelhos de jacto de areia, de jacto de vapor e aparelhos de jacto semelhantes – US$ 21,9 milhões, 6,80% do total exportado;
extratos, essências e concentrados de café, chá ou de mate e preparações à base destes produtos ou à base de café, chá ou de mate; chicória torrada e outros torrados do café e respectivos extratos, essências e concentrados – US$ 21,6 milhões, 3,96% do total exportado.
Exportações da Ucrânia para o Brasil
produtos semimanufaturados de ferro ou aço não ligado – US$ 45,3 milhões, 7,44% do total exportado;
polímeros de cloreto de vinilo – US$ 41,3 milhões, 3,99% do total exportado;
produtos laminados planos, de ferro ou aço não ligado, de largura igual ou superior a 600 mm, laminados a quente, não folheados ou chapeados, nem revestidos – US$ 23,1 milhões, 9,30% do total exportado;
fio-máquina de ferro ou aço não ligado – US$18,5 milhões, 9,06% do total exportado;
medicamentos (exceto os produtos das posições 3002, 3005 ou 3006) constituídos por produtos misturados ou não misturados, preparados para fins terapêuticos ou profilácticos, apresentados em doses – US$ 14,7 milhões, 0,39% do total exportado.
VÍDEOS: invasão da Ucrânia pela Rússia

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima