Mundo

Conselheiro de Segurança dos EUA diz que Rússia acelerou atividade militar na fronteira com Ucrânia; chanceler alemão pede desescalada

conselheiro-de-seguranca-dos-eua-diz-que-russia-acelerou-atividade-militar-na-fronteira-com-ucrania;-chanceler-alemao-pede-desescalada
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Jake Sullivan diz que mundo ‘precisa estar preparado’ e que a Rússia pode encenar um pretexto para justificar invasão. Chanceler alemão Olaf Scholz pediu por uma desescalada e alertou que sanções serão aplicadas em caso de uma invasão russa. O conselheiro de Segurança dos Estados Unidos, Jake Sullivan, disse neste domingo (13) que a Rússia acelerou sua atividade militar na fronteira com Ucrânia.
Ele disse ainda, em entrevista coletiva, que o mundo “precisa estar preparado” e que Moscou pode encenar um pretexto para invasão.
“Os EUA não darão à Rússia a oportunidade de um ‘ataque surpresa’ à Ucrânia”, disse Sullivan que garantiu seguir compartilhando informações da Inteligência com este país do leste europeu.
Já o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, pediu neste domingo por uma desescalada da Rússia na crise ucraniana – e alertou que sanções serão aplicadas em caso de invasão.
Ele falou com a imprensa do país na véspera de uma viagem a Kiev e Moscou para conversas e reuniões diplomáticas.
Movimentação de tropas russas cria cerco à Ucrânia; veja mapas
Ucrânia está localizada entre membros da Otan e Rússia e seus aliados
Editoria de Arte/g1
Biden vai conversar com Zelenskiy
Os presidentes da Ucrânia e dos EUA, Volodymyr Zelenskiy e Joe Biden, vão conversar neste domingo, disse o porta-voz do líder ucraniano.
Em nota, Sergii Nykyforov afirmou que os dois líderes “discutirão a situação de segurança e os esforços diplomáticos em andamento para uma desescalada de tensão”.
‘Risco alto’
Funcionários americanos da OSCE deixam Donetsk, na Ucrânia
O secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken, disse no sábado (12) que o caminho diplomático continua aberto no caso da crise ucraniana, mas defendeu a continuidade da saída de diplomatas americanos da Ucrânia.
“Nós determinamos a saída da maioria dos americanos que ainda estão na embaixada dos EUA em Kiev”, disse Blinken após encontro com representantes do Japão e da Coreia do Sul em Honolulu.
“O risco de uma ação militar da Rússia ainda é alto o bastante e a ameaça, iminente o bastante que é o mais prudente a se fazer”, reforçou o chefe da diplomacia americana.
Neste domingo (13), americanos começaram a deixar a província ucraniana de Donetsk, controlada por rebeldes pró-Rússia. Veja no VÍDEO acima.
Telefonema entre Biden e Putin
No sábado, os presidentes dos EUA e da Rússia, Joe Biden e Vladimir Putin, conversaram por cerca de uma hora por telefone, mas nenhum dos dois lados anunciou um avanço significativo nas negociações para colocar fim à crise ucraniana.
A crise ocorre porque a Rússia tem aumentado a presença de militares no entorno da Ucrânia. Os Estados Unidos veem esse aumento como um risco de invasão – algo que Moscou nega.
Solução diplomática ainda é possível
Blinken afirmou, em entrevista coletiva, que ainda há um “caminho aberto” para a diplomacia na crise da Ucrânia.
“Um caminho diplomático para resolver esta crise, uma crise criada pela concentração de forças russas ao redor da Ucrânia, esse caminho diplomático permanece aberto”, disse o secretário de Estado.
00:00 / 20:36

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima