EUA decidem suspender restrições de viagem para países africanos após bloqueio por variante ômicron

eua-decidem-suspender-restricoes-de-viagem-para-paises-africanos-apos-bloqueio-por-variante-omicron
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


As restrições serão suspensas a partir de 31 de dezembro. Elas foram impostas em novembro pelo presidente Joe Biden. Passageiros à espera de embarque no aeroporto de Johannesburgo, na África do Sul, no final de novembro.
AP Photo/Jerome Delay
O governo dos Estados Unidos vai suspender as restrições de viagem aplicadas para oito países africanos no mês passado, por conta de temores com a variante ômicron do coronavírus.
As restrições serão suspensas no dia 31 de dezembro, às 12h01, horário do leste dos Estados Unidos, segundo informações da CNN.
O presidente Joe Biden ordenou as restrições no final de novembro, seguindo o conselho de seus funcionários de saúde pública. Na época, foram impedidas a maioria das viagens da África do Sul, Botswana, Zimbábue, Namíbia, Lesoto, Eswatini, Moçambique e Malaui.
Um alto funcionário do governo americano disse que os Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos recomendaram que as restrições fossem suspensas por duas razões principais: os progressos na compreensão da ômicron e o fato da variante ja estar presente no país e em todo o mundo, segundo a CNN.
As medidas proibiam a entrada nos EUA de quase todos os estrangeiros que estivessem “fisicamente presentes” nos países africanos durante o “período de 14 dias anterior à sua entrada ou tentativa de entrada nos Estados Unidos”. Cidadãos americanos, residentes permanentes legais e não cidadãos que sejam cônjuges de cidadãos ou residentes permanentes estavam isentos.
Biden e sua equipe enfatizaram na época que a medida era um esforço temporário para desacelerar a disseminação da ômicron e dar às autoridades americanas tempo para avaliar a variante do coronavírus.
A medida ainda enfrentou críticas depois que ficou claro que a ômicron já estava se espalhando em vários países não africanos antes de ser identificado na África do Sul, que tem um forte sistema de vigilância de saúde pública.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima