Mundo

Ômicron é responsável por 2,9% dos casos de Covid nos EUA, estima CDC

omicron-e-responsavel-por-2,9%-dos-casos-de-covid-nos-eua,-estima-cdc
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Agência disse também que a variante tem rápida disseminação. Imagem destaca variante ômicron do coronavírus feita com um microscópio
Cortesia Faculdade de Medicina da Universidade de Hong Kong
Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estimaram que 2,9% dos casos de Covid-19 nos Estados Unidos estão ligados à variante ômicron.
O cálculo do CDC levou em consideração todas as variantes identificadas do coronavírus Sars-Cov-2 no país até o dia 11 de dezembro.
LEIA TAMBÉM:
Reino Unido tem 10 hospitalizados com ômicron; governo fala em alta taxa de reinfecção por Covid-19
Não há evidências que as vacinas não protegem contra casos graves, indica estudo da Oxford
Segundo os centros, entre a descoberta da nova variante e a primeira semana de dezembro, a ômicron era responsável por 0,4% das amostras sequenciadas.
Ômicron: o que se sabe sobre nova variante detectada na África do Sul
A agência americana estimou também que a variante tem rápida disseminação e está presente, e tem casos de transmissão comunitária em Nova Jersey, Nova York, Porto Rico e Ilhas Virgens.
No domingo (12), a Organização Mundial de Saúde (OMS) disse que, ainda que informações preliminares sugiram que a ômicron seja menos severa que a delta, não está claro até que ponto a variante seja realmente menos virulenta.
Origem da variante na África do Sul
A variante ômicron – também chamada B.1.1529 – foi reportada à Organização Mundial da Saúde (OMS) em 24 de novembro de 2021 pela África do Sul.
O primeiro caso confirmado da B.1.1529 foi de uma amostra coletada em 9 de novembro de 2021. De acordo com OMS, a variante apresenta um “grande número de mutações”, algumas preocupantes.
Mutação, variante, cepa e linhagem: entenda o que significam os termos ligados à evolução do coronavírus
“Evidências preliminares sugerem uma alta no risco de reinfecção com a variante, comparada com as outras versões do coronavírus”, disse a agência de Saúde das Nações Unidas em um comunicado.
Nas últimas semanas, as infecções do coronavírus vinham aumentado abruptamente na África do Sul, o que coincide com a detecção da nova variante B.1.1529.
A situação epidemiológica no país tem sido caracterizada por três ondas de casos notificados, sendo que o último tinha sido com a variante delta.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima