Mundo

Multidão protesta na Argentina contra acordo com o FMI

multidao-protesta-na-argentina-contra-acordo-com-o-fmi
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Com gritos e cartazes a favor do não pagamento da dívida com o Fundo, milhares de pessoas foram às ruas de Buenos Aires para pressionar o presidente Alberto Fernández a não reconhecer o débito contraído na gestão anterior, de Maurício Macri. Sem auxílio social durante pandemia, pobreza extrema na Argentina teria dobrado, aponta estudo
Aos gritos de “Fora o Fundo, não ao pagamento da dívida”, milhares de pessoas repudiaram neste sábado (11), nas ruas da Argentina, um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), com o qual o governo de Alberto Fernández tenta refinanciar uma dívida de 44 bilhões de dólares.
Partidos de esquerda, organizações sindicais, sociais e estudantis se reuniram em frente à Casa Rosada, em Buenos Aires, sob o lema “Não ao pagamento da dívida, fora FMI”.
“Pagar a dívida é ajuste”, “A dívida é com o povo” diziam alguns cartazes exibidos pelos manifestantes que lotaram a Praça de Maio, que repetiam “Fora, fora FMI”.
Os manifestantes pediram ao governo para não reconhecer a dívida, que consideram “ilegítima e fraudulenta”.
Em uma proclamação lida em frente à sede do governo, a esquerda convocou a formação de “uma frente ampla contra o acordo com o FMI” e pediu ao governo que use este dinheiro “para melhorar os salários e aumentar os orçamentos de saúde, educação e habitação”.
Na sexta-feira, diante de uma Praça de Maio lotada de pessoas que lhe manifestaram seu apoio, o presidente Fernández ratificou que vai assumir o pagamento da dívida com o FMI, mas prometeu que o fará sem um ajuste fiscal “que comprometa o crescimento”.
Fernández estava acompanhado de sua vice-presidente, Cristina Kirchner, e dos ex-presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e do Uruguai, José Mujica, que também lhe deram apoio.
Jogo eleitoral: Lula é recebido por Fernández na Argentina, e Moro participa de filiação de Deltan ao Podemos
O FMI informou em um comunicado que “houve avanços” para um acordo em reuniões técnicas com uma missão argentina que viajou a Washington na semana passada.
A Argentina negocia as condições para refinanciar um empréstimo de 44 bilhões de dólares que o FMI concedeu ao país durante o governo do liberal Mauricio Macri (2015-2019).
“Não aguentamos mais”
O acordo vigente com o FMI obriga o pagamento de vencimentos em 2022 e 2023 de mais de 19 bilhões de dólares cada um e de cerca de US$ 5 bilhões em 2024.
A Argentina, que entrou em recessão em 2018, tem uma das taxas de inflação mais altas do mundo (41,8% de janeiro a outubro) e mais de 40% de pobres em uma população de 45 milhões de habitantes.
“Não aguentamos mais”, disse à AFP Emilse Icandri, de 26 anos, que foi protestar contra o FMI na bicicleta com a qual faz entregas em domicílio, assim como centenas de jovens em trabalhos precarizados.
“Nós não temos salários, nem direitos, e sabemos que as medidas de ajuste estão ligadas à questão geral do país. Se o governo fizer um pacto com o Fundo, esta grana tem que sair de algum lugar e vai ser paga às custas do suor dos trabalhadores”, afirmou.
Rosmary Castro, uma boliviana de 68 anos, concordou. Debaixo do chapéu de aba larga que a protegia do sol inclemente em Buenos Aires, ela disse que “o Fundo sempre foi um inimigo do povo”.
“O povo latino-americano está cansado de sofrer. Nós não fizemos esta dívida, então não vamos pagá-la”, afirmou. Em meio a cânticos e o rufar de tambores, milhares chegaram à Praça de Maio com cartazes contra o acordo.
“Para pagar a dívida, o governo tem que ajustar e isso vai ser sentido nos bairros populares”, afirmou Elías Chino, de 30 anos, que foi ao centro procedente de Lomas de Zamora, na periferia sul de Buenos Aires onde, assegurou, “as pessoas não conseguem mais comprar alimentos, estão caríssimos”.
Na sua opinião, um acordo com o FMI só trará “mais penúrias para os pobres, quando ainda estamos nos recuperando do impacto econômico da pandemia” de Covid-19.
“Quando a classe abastada pagou pelo ajuste? Nunca”, concluiu, antes de voltar para a passeata, com a promessa: “não será a última”.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima