Mundo

Espanha aprova vacinação contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos

espanha-aprova-vacinacao-contra-a-covid-19-para-criancas-de-5-a-11-anos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


A vacinação com uma versão reduzida da vacina da Pfizer é possível na União Europeia desde que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) autorizou seu uso em 25 de novembro. Criança recebe vacina contra a Covid-19 em Israel em 22 de novembro de 2021
MENAHEM KAHANA / AFP
As autoridades de saúde da Espanha autorizaram nesta terça-feira (7) a vacinação contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos a partir de 15 de dezembro, em um momento em que o país luta contra um novo aumento dos casos.
A Comissão de Saúde Pública “aprovou a vacinação” das crianças desta faixa etária “para reduzir a carga da doença neste grupo”, assim como a transmissão da doença para seu entorno familiar, informou o Ministério da Saúde em um comunicado.
LEIA TAMBÉM:
Israel começa a vacinar crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19
EUA começam a vacinar crianças contra Covid-19
No Brasil: Pfizer entra com pedido na Anvisa para vacinação de crianças
O primeiro lote de vacinas pediátricas chegará à Espanha em 13 de dezembro, segundo o ministério, e será distribuído então entre as regiões, que são as encarregadas de sua administração. A vacinação começará a partir de 15 de dezembro, diz a nota.
Segundo as autoridades, na Espanha há 3,3 milhões de crianças dessas idades que poderão receber essas vacinas agora. “Neste momento, os menores de 12 anos representam a faixa etária com maior incidência acumulada de casos de covid-19”, destaca o ministério.
A vacinação de crianças entre 5 e 11 anos, com uma versão reduzida da vacina da Pfizer, é possível na União Europeia desde que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) autorizou seu uso em 25 de novembro.
Desde então, vários países também a incorporaram, como Itália e Grécia.
A Espanha é um dos países do mundo com a maior taxa de vacinação: segundo as autoridades, 89,4% da população alvo tem o esquema completo. Essa porcentagem alta não evitou, porém, um surto de casos nas últimas semanas, alinhado com outros países europeus.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima