Mundo

EUA devem anunciar novas medidas contra Covid em meio à preocupação com a variante ômicron

eua-devem-anunciar-novas-medidas-contra-covid-em-meio-a-preocupacao-com-a-variante-omicron
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Ações incluem a exigência de teste um dia antes para viajantes que chegam ao país, além de estímulos à vacinação e à realização de testes. Criança recebe vacina contra a Covid-19 nos EUA em 3 de novembro de 2021
Mike Blake/Reuters
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deve anunciar nesta quinta-feira (2) uma série de medidas contra a Covid-19, com novas exigências para os viajantes e um aumento nos esforços de vacinação.
Apesar de Biden ter conquistado a presidência com a promessa de lutar contra a pandemia, as mutações do coronavírus representam um enorme desafio, o que tem contribuído para a queda de sua popularidade.
Da sede dos Institutos Nacionais de Saúde, na região de Washington, está previsto que Biden pronuncie um discurso em que enumerará uma série de ações projetadas para lutar contra a Covid-19 durante o inverno do hemisfério norte, num momento em que a variante ômicron se propaga pelo mundo, gerando novas preocupações e restrições.
Na quarta-feira foi detectado o primeiro caso de contágio com esta variante nos Estados Unidos.
A Casa Branca já anunciou que a partir “do início da próxima semana”, todos os viajantes deverão, além de vacinados, apresentar um teste negativo feito um dia antes do deslocamento. A medida será aplicada a americanos e estrangeiros.
Para os deslocamentos internos, Biden vai anunciar uma prorrogação da obrigatoriedade do uso de máscaras em aviões, trens e outros transportes públicos até meados de março, afirmou uma fonte do governo.
O presidente dos EUA, Joe Biden, recebe a dose de reforço contra a Covid-19 na Casa Branca em Washington em 27 de setembro de 2021
Kevin Lamarque/Reuters
As novas medidas pretendem tranquilizar os americanos e mostrar que Biden está fazendo tudo a seu alcance para evitar que a pandemia afete a recuperação econômica dos Estados Unidos e as festas de fim de ano.
O presidente e seus assessores reiteraram nos últimos dias que não acontecerá um retorno aos grandes confinamentos.
Mas o governo enfrenta um cenário em que muitos americanos não são receptivos aos apelos de Biden por uma ação coletiva para derrotar a pandemia. De fato, quase 40% da população ainda não está completamente imunizada, apesar das tentativas criativas de estimular vacinação.
E quase 100 milhões de pessoas que já podem receber doses de reforço das vacinas anticovid ainda não aproveitaram a oportunidade.
Campanha nacional
Uma campanha nacional direcionada aos beneficiários do sistema de saúde pública Medicare tentará ampliar vacinação e as doses de reforço. Em sua estratégia, o governo estabeleceu uma associação com a AARP, um importante grupo que representa os interesses das pessoas com mais de 50 anos.
No outro extremo da faixa etária, a administração Biden tentará assegurar que as escolas não retornem aos fechamentos.
“Quando o presidente assumiu o cargo, mais da metade das escolas do país estavam fechadas”, disse a mesma fonte do governo.
“Hoje temos uma vacina para as crianças a partir de cinco anos e mais de 99% das escolas em todo o país estão completamente abertas”, disse, antes de destacar que “o presidente anunciará os passos que garantirão que isto continue assim”.
O governo também pretende estimular o uso de kits de teste domiciliar com o anúncio de que “o seguro médico deve cobrir 100% do seu custo”.
Para aqueles sem seguro médico, a disponibilidade de kits gratuitos deve aumentar nos próximos meses. “Nosso fornecimento de testes caseiros é, atualmente, quatro vezes maior que no fim do verão”, disse a fonte da Casa Branca.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima