Mundo

Presidente de Portugal veta lei que permitiria eutanásia pela segunda vez

presidente-de-portugal-veta-lei-que-permitiria-eutanasia-pela-segunda-vez
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Para o presidente, o texto emprega conceitos excessivamente indefinidos sobre o que seriam as doenças terminais. Parlamento de Portugal aprova projetos de lei que permitem a eutanásia
O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, vetou pela segunda vez uma lei que permitiria que doentes terminais buscassem assistência de um médico para por fim à vida, o que, na prática, adiou a legislação até um novo Parlamento ser eleito.
O veto, anunciado na noite de segunda-feira (29), citou o texto do projeto de lei para descrever doenças terminais, que Rebelo de Sousa disse ser contraditória às vezes e necessitar de esclarecimento.
Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, em foto de 26 de janeiro de 2021
Pedro Nunes/Reuters/Arquivo
O Parlamento pode emendar a legislação ou anular o veto presidencial, mas é improvável que tenha tempo para qualquer uma destas ações antes de ser dissolvido, o que precederá uma eleição antecipada para 30 de janeiro.
Primeiro, parlamentares aprovaram um projeto de lei para legalizar a eutanásia em janeiro, mas Rebelo de Sousa pediu ao Tribunal Constitucional que avaliasse os “conceitos excessivamente indefinidos” da legislação.
A corte concordou e rejeitou o projeto de lei, dizendo que ele é “impreciso” em suas definições de quando o direito de morrer deveria ser concedido. O Parlamento abordou as preocupações do tribunal e voltou a aprovar o projeto de lei no mês passado.
Conforme a lei revisada, as pessoas teriam direito de solicitar assistência para morrer em caso de doença terminal ou se tiverem “uma lesão grave, definitiva e amplamente debilitante, que torna uma pessoa dependente de uma terceira parte ou de tecnologia para realizar tarefas cotidianas básicas”.
Mas o presidente conservador argumentou que ela continua usando termos demais, como “doença fatal”, “doença incurável” e “doença grave”, e a devolveu novamente ao Parlamento, que ele mesmo deve dissolver nos próximos dias.
Veja os vídeos mais assistidos do g1

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima