Mundo

G7 alerta que a variante ômicron é altamente transmissível e requer medidas urgentes

g7-alerta-que-a-variante-omicron-e-altamente-transmissivel-e-requer-medidas-urgentes
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Ministros do grupo agendaram uma nova reunião para discutir a variante em dezembro. Fantástico entrevista a médica sul-africana que fez primeiro alerta sobre variante ômicron
A variante ômicron do coronavírus é altamente transmissível e requer ação urgente, disseram os ministros da saúde do G7, o grupo dos países mais desenvolvidos, nesta segunda-feira(29) após reunião de emergência convocada pelo governo do Reino Unido.
Leia também
Ômicron: veja países onde a nova variante do coronavírus já foi detectada
OMS: ômicron representa risco elevado, mas há dúvidas sobre o potencial de danos que a variante pode causar
“A comunidade internacional enfrenta a ameaça de uma nova variante altamente transmissível da Covid-19, que requer ação urgente”, disseram os ministros em um comunicado conjunto após a reunião.
Os ministros elogiaram o trabalho da África do Sul, que detectou a variante e alertou os outros países, disseram. Eles também lamentaram as restrições impostas à África do Sul.
Os países do G7 também “reconheceram a importância estratégica de garantir o acesso às vacinas”, “preparar” os países para receber as doses, fornecer “assistência operacional, cumprir nossos compromissos de doação, abordar a desinformação sobre vacinas e apoiar a pesquisa e o desenvolvimento”.
Os países do G7 também se comprometem a “continuar a trabalhar em estreita colaboração com a OMS e parceiros internacionais para compartilhar informações e monitorar a ômicron”.
“Os ministros prometeram se reunir novamente em dezembro”, disseram.
A nova variante representa um “risco muito alto” em todo o mundo, alertou a Organização Mundial da Saúde.
A lista de países em que foi detectada é crescente, principalmente na Europa, depois que os primeiros casos foram registrados em países do sul da África em novembro.
Veja os vídeos mais assistidos do g1

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima