Mundo

EUA vão impor restrições a voos de países africanos por variante ômicron

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


As novas restrições passarão a valer a partir do dia 29 de novembro. Variante, identificada pela primeira vez na África do Sul, apresenta mutações na proteína S do coronavírus. Passageiros à espera de embarque no aeroporto de Johannesburgo, na África do Sul, nesta sexta-feira (26).
AP Photo/Jerome Delay
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta sexta-feira (26) que o país vai impor restrições a viajantes oriundos da África do Sul e mais sete nações africanas.
As restrições passarão a valer a partir do dia 29 de novembro, disse o presidente que citou seguir as recomendações de conselheiros médicos da Casa Branca e defendeu novamente a vacinação.
“As notícias sobre essa nova variante deixam ainda mais claro que essa pandemia não vai acabar até que tenhamos vacinado todo o mundo”, disse Biden em um comunicado.
B.1.1.529: veja países que já restringiram voos devido à nova variante do coronavírus
Imagem de arquivo de avião da Southwest Airlines no aeroporto LaGuardia em Nova York.
Julio Cortez/AP
Mais cedo, uma autoridade sênior do governo americano antecipou que as restrições não valeriam para cidadãos americanos, e que os países afetados pela medida são:
África do Sul
Botswana
Zimbábue
Namíbia
Lesoto
Eswatini
Moçambique
Malawi
Covid: o que se sabe sobre nova variante detectada na África do Sul
Além dos EUA, mais de 10 países e/ou territórios já anunciaram restrições a voos de nações africanas por causa da variante ômicron até o momento.
Outras nações, como Singapura, Japão e Índia, também anunciaram que vão adotar medidas para tentar conter esta nova variante.
No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou ao governo federal que adote medidas de restrição para voos e viajantes de ao menos 6 nações africanas.
VEJA TAMBÉM:
B.1.1.529: o que se sabe sobre nova variante detectada na África do Sul
Veja países onde a nova variante do coronavírus já foi detectada
União Europeia propõe suspender voos do sul da África devido à B.1.1.529
Variante ômicron
A B.1.1.529, agora chamada de variante ômicron, preocupa pois tem 50 mutações — algo nunca visto antes —, sendo mais de 30 na proteína S (spike) – a “chave” que o vírus usa para entrar nas células e que é o alvo da maioria das vacinas contra a Covid-19.
O virologista Tulio de Oliveira, diretor do Centro para Resposta Epidêmica e Inovação na África do Sul, que anunciou a descoberta da nova variante na quinta-feira (25), afirma que a variante ômicron carrega uma “constelação incomum de mutações” e é “muito diferente” de outros tipos que já circularam
“Esta variante nos surpreendeu, ela deu um grande salto na evolução [e traz] muitas mais mutações do que esperávamos”, afirma Oliveira, que é brasileiro. Mas ainda é cedo para dizer o quão transmissível ou perigosa é a variante — e seu efeito sobre as vacinas já desenvolvidas.
Outros países com restrições
Também nesta sexta, o Canadá proibiu a entrada de viajantes oriundos do sul da África: “Devemos agir rapidamente para proteger os canadenses”, explicou o ministro da Saúde, Jean Yves Duclos em entrevista coletiva.
Na quinta-feira, o Reino Unido restringiu viagens à África do Sul e mais cinco países do continente. Nesta sexta, a Comissão Europeia propôs a suspensão dos voos do sul da África para a União Europeia.
A Alemanha anunciou que não aceitará a entrada de viajantes procedentes da África do Sul e a Itália informou a proibição de entrada em seu território de qualquer pessoa que esteve em 7 nações do sul da África nos últimos 14 dias.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima