Mundo

União Europeia pede liberdade de Zhang Zhan, jornalista presa por filmar início da pandemia em Wuhan

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Repórter de Xangai foi ao então epicentro da Covid-19 no mundo para registrar o confinamento. Ela foi condenada a uma pena de 4 anos de prisão. Familiares dizem que ela está à beira da morte. Quem é Zhang Zhan, a jornalista chinesa presa por filmar confinamento em Wuhan
A União Europeia pediu nesta terça-feira (23) que a China liberte imediatamente a jornalista independente Zhang Zhan, presa há mais de um ano por ter filmado o início do lockdown em Wuhan, em fevereiro de 2020. A cidade é considerada como “o berço da Covid-19”.
Ex-advogada natural de Xangai, Zhang Zhan, de 38 anos, foi detida em 15 de maio de 2020 por ter realizado uma reportagem sobre a pandemia de Covid-19 na China. Em fevereiro de 2020, ela se deslocou até Wuhan para gravar os primeiros dias do lockdown na cidade.
LEIA TAMBÉM:
Quem é Zhang Zhan, presa por filmar início da pandemia em Wuhan
Jornalista chinesa está à beira da morte, diz família
Zhang Zhan é premiada pela Repórteres Sem Fronteiras
Suas imagens, que mostravam os doentes amontoados em um hospital, exibiram a situação calamitosa que enfrentava a metrópole, a primeira atingida pela Covid-19.
A jornalista independente foi condenada a quatro anos de prisão no final de 2020 por “provocação à alteração da ordem pública”. A justificativa é frequentemente utilizada na China para deter opositores políticos.
Zhang Zhan foi presa por reportar o que estava acontecendo em Wuhan
Reprodução/Youtube
Desde junho de 2020, ela faz uma greve de fome para denunciar a repressão das autoridades chinesas. No início deste mês, o irmão da jornalista, Zhang Ju, alertou que ela “corre o risco de não viver muito mais tempo”. 
Tratamento médico
Em declaração no Twitter, a porta-voz da diplomacia europeia, Nabila Massrali, pediu que a China tome todas medidas necessárias para que a jornalista receba um tratamento médico de emergência e que tenha acesso a familiares e advogados. 
“O estado de saúde de Zhang Zhan se agrava rapidamente enquanto ela permanece na prisão. Zhang sofre, entre outras coisas, de desnutrição grave”, reiterou Massrali, porta-voz do chefe da diplomacia europeia Josep Borrell.
Massrali lembrou que essa não é a primeira vez que a União Europeia apela às autoridades chinesas sobre o caso da jornalista. Todos os pedidos, até o momento, não obtiveram “nenhuma resposta”, ressaltou a porta-voz. 
LEIA TAMBÉM:
Tenista chinesa Peng Shuai conversa com presidente do Comitê Olímpico Internacional em videochamada
Tenista chinesa que denunciou estupro reaparece em público, mas dúvidas permanecem
Tolerância zero
Para a ONG Anistia Internacional, Zhang Zhan é uma vítima da tolerância zero do governo chinês a qualquer crítico do regime. “Ela está presa unicamente por ter exercido seu direito à liberdade de expressão”, afirma em sua página. 
Casos como os de Zhang Zhan, em que o governo rejeita o acesso a tratamentos médicos a detentos, não são uma exceção na China. Em julho de 2017, o militante pelos direitos humanos e prêmio Nobel da Paz, Liu Xiaobo, morreu na prisão.
As autoridades chinesas rejeitaram seus pedidos e os de sua família para receber tratamento contra o câncer em outro país. No mesmo ano, o escritor Yang Tongyan morreu três meses após receber liberdade condicional para que pudesse realizar uma operação no cérebro para a retirada de um tumor.
Três anos antes, em 2014, foi a vez da militante Cao Shunli morrer após a falência de seus órgãos, depois de meses passados na prisão sem hospitalização. Durante o período em que passou detida, o regime chinês se recusou a autorizar um tratamento médico adaptado à ativista. 

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima