Mundo

Conversa de Peng Shuai com presidente do COI não é o suficiente, diz associação de tênis

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Comunidade internacional se mobiliza desde que estrela do tênis da China acusou ex-vice-premiê do país de agressão sexual, foi censurada e ficou semanas desaparecida. Jornal chinês publica vídeo de tenista que estava desaparecida após acusar autoridade de abuso sexutal
A Associação de Tênis Feminino (WTA, na sigla em inglês) afirmou nesta segunda-feira (22) que a videochamada de Peng Shuai, estrela tênis da China, com o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, não é o suficiente e não aborda ou alivia a preocupação com o bem-estar da tenista.
O paradeiro de Peng Shuai tornou-se um assunto de preocupação internacional depois que a estrela do tênis da China acusou o ex-vice-premiê Zhang Gaoli de agressão sexual, foi logo censurada e ficou semanas desaparecida.
A WTA ameaçou deixar de organizar torneios na China se a jogadora continuasse desaparecida, e a ONU e a Anistia Internacional se juntaram à comunidade de tênis para pedir ao governo chinês que apresentasse provas sobre o paradeiro da tenista e seu estado de saúde.
VEJA TAMBÉM:
Onde está Peng Shuai? Fotos da tenista chinesa são publicadas em rede social em meio a dúvidas sobre seu paradeiro
Peng Shuai: como a China censurou uma das maiores estrelas do tênis
Por que pessoas ‘desaparecem’ na China?
Peng tem 35 anos e é ex-número um do mundo em duplas e uma estrela do tênis na China. Ela participou de três Olimpíadas e já foi campeã em Wimbledon em 2013 e em Roland Garros em 2014 (dois dos quatros torneios de tênis mais importantes do mundo).
Diante da pressão internacional, fotos e vídeos de Peng Shuai começaram a ser divulgadas no sábado (20). Nas imagens divulgadas por jornalistas da mídia estatal chinesa e por organizadores de um torneio de tênis infantil em Pequim, ela aparece em casa, em um jantar com amigos e dando autógrafos.
Peng Shuai assina bolas de tênis em um torneio de tênis juvenil em Pequim, em imagem divulgada em 21 de novembro de 2021 no Twitter
Reprodução/Twitter
A intervenção do COI
Mas elas não foram suficientes para diminuir as preocupações com a atleta, e no domingo (21) a tenista participou da videochamada com o presidente do COI.
Thomas Bach entrou no imbróglio porque a China será a sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, que ocorrerão em fevereiro na capital Pequim, e já há quem defenda o boicote ao torneio (veja mais abaixo).
“Foi bom ver Peng Shuai em vídeos recentes, mas eles não aliviam ou tratam da preocupação da WTA sobre seu bem-estar e a capacidade de se comunicar sem censura ou coerção”, disse uma porta-voz da WTA por e-mail.
Questionada sobre a videochamada de Peng com Bach, a porta-voz disse: “Este vídeo não muda nosso apelo por uma investigação completa, justa e transparente, sem censura, sobre sua alegação de agressão sexual, que é a questão que deu origem à nossa preocupação inicial”.
O COI disse em um comunicado que Peng participou de uma videochamada de 30 minutos com Bach, durante a qual disse que estava “segura e bem” em casa, em Pequim, e queria que sua privacidade fosse respeitada por enquanto.
A tenista chinesa Peng Shuai conversa por videochamada com o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach
Greg Martin/COI
Boicote às Olimpíadas
Parte da comunidade internacional tem defendido um boicote às Olimpíadas de Inverno de Pequim, devido ao histórico de direitos humanos da China, e o movimento ganhou força com o caso de Peng.
Hu Xijin, editor do jornal estatal “Global Times”, que nos últimos dias postou fotos e vídeos da tenista, disse no Twitter nesta segunda que sua aparição deve ser suficiente para aliviar as preocupações “daqueles que realmente se preocupam com a segurança de Peng Shuai”.
“Mas, para aqueles que desejam atacar o sistema da China e boicotar as Olimpíadas de Inverno de Pequim, os fatos, não importa quantos, não funcionam para eles”, afirmou Hu.
Agressão sexual e censura
Em 2 de novembro, Peng Shuai escreveu na rede social Weibo (o Twitter chinês) que Zhang Gaoli, vice-premiê da China entre 2013 e 2018, a havia forçado a fazer sexo, apesar de suas repetidas recusas, e mais tarde eles tiveram um relacionamento consensual intermitente.
Zhang é casado e 40 anos mais velho que Peng.
A então diretora do FMI, Christine Lagarde. aplaude discurso do então vice-premiê chinês, Zhang Gaoli, na abertura do Fórum de Desenvolvimento da China, em 2015
Jason Lee/Reuters
A publicação foi excluída do Weibo cerca de meia hora depois e todas as menções ao caso desapareceram da internet e dos mecanismos de buscas.
O Twitter e outras redes sociais “ocidentais” como o Facebook e o Instagram são bloqueados na China, e o desaparecimento de informações que desagradam ao governo é recorrente no país.
Nem Zhang nem o governo chinês comentaram a declaração de Peng até agora.
VÍDEOS: as últimas notícias internacionais

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima