Mundo

Em greve de fome, ex-presidente da Geórgia está em ‘estado crítico’, informam médicos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp


Mikhail Saakashvili está preso há mais de 1 mês acusado de abuso de poder. Em protesto contra a detenção, ele anunciou uma greve de fome. Mikheil Saakashvili, ex-presidente da Geórgia, em foto de maio de 2020
Valentyn Ogirenko/Arquivo/Reuters
O ex-presidente da Geórgia Mikhail Saakashvili, que está em greve de fome em uma prisão do país, está em estado crítico e precisando de tratamento urgente, disseram médicos nesta quarta-feira (17).
Compartilhe esta notícia no Whatsapp
Compartilhe esta notícia no Telegram
Eles alegam que Saakashvili sofre maus tratos no cárcere e que o hospital do presídio não “pode atender às necessidades médicas” do ex-chefe de Estado.
Sem camisa, ex-presidente da Geórgia Mikheil Saakashvili em custódia na prisão em 11 de novembro
Special Penitentiary Service of Georgia/Handout via Reuters
Saakashvili, de 53 anos, está preso desde 1º de outubro, quando retornou à Geórgia após quase oito anos em exílio. Ele é condenado por abuso de poder, mas nega e diz que a prisão tem motivações políticas. Desde que foi detido, o ex-presidente está em greve de fome.
Além de Saakashvili, outros 10 parlamentares que o apoiam entraram em greve de fome exigindo que o ex-presidente seja tratado em um hospital comum, e não no presídio.
Protesto a favor de Mikhail Saakashvili, ex-presidente da Geórgia preso há mais de um mês e em greve de fome, toma as ruas de Tbilisi em 15 de novembro
Zurab Tsertsvadze/AP Photo
Considerado uma personalidade polêmica, Saakashvili divide opiniões e ainda tem muitos apoiadores no país, uma antiga república da União Soviética no Cáucaso. Ele governou a Geórgia entre 2004 e 2013, e deixou o território georgiano assim que terminou o mandato.
Houve manifestações na capital, Tbilisi, favoráveis ao ex-presidente nesta semana. Mais de 40 mil pessoas participaram, segundo a AFP.
VÍDEO: Geórgia tem protesto após prisão de líder da oposição

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima