Destaque, Esportes, Todas Notícias

São Paulo disputa liderança do Brasileiro mesmo sem apoio total de reforços

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Quase seis meses depois de chegarem ao Morumbi, os cinco primeiros reforços contratados para a temporada vivem momentos bem diferentes no São Paulo. Enquanto Jandrei e Rafinha são titulares absolutos e Alisson é considerado uma peça importante para Rogério Ceni, Patrick e Nikão ainda buscam uma sequência na equipe tricolor.

A irregularidade dos dois últimos fez com que os cinco atuassem juntos desde o início apenas uma vez: no empate sem gols contra o Ituano, na terceira rodada do Paulistão. Desde então, o mais perto disso aconteceu contra o Red Bull Bragantino, no Campeonato Brasileiro, em que Jandrei, Rafinha, Nikão e Patrick começaram entre os titulares e Alisson entrou no segundo tempo.

Mesmo sem o apoio máximo de seus principais reforços, o São Paulo briga pela liderança do Brasileirão. Depois do empate em 1 a 1 com o Avaí, a equipe de Rogério Ceni está na sexta colocação, com 14 pontos, quatro a menos que o Corinthians, primeiro colocado.

Contratação mais badalada da temporada, Nikão é quem mais sofre para ter uma sequência no Morumbi. O meia-atacante demorou para atingir as condições físicas ideais no início da temporada, o que fez com que ele tenha sido titular em apenas sete dos 20 jogos que fez até aqui.

Em mais de uma entrevista, Rogério Ceni apontou a mudança de clube como argumento para a demora para Nikão entrar em forma. Na visão do treinador, como o Athletico não participava do Campeonato Paranaense, seus jogadores tinham um tempo maior de preparação. Quando chegou ao Morumbi, o meia-atacante teria sentido essa diferença.

Nos últimos meses, Nikão vinha entrando regularmente nas partidas e chegou a ser titular na partida contra o Red Bull Bragantino, pelo Brasileirão. Um trauma no pé esquerdo, contudo, atrasou mais uma vez o processo.

O meia-atacante vem se tratando do problema físico desde a vitória do São Paulo sobre o Jorge Wilstermann, pela Copa Sul-Americana, no último dia 19 de maio. Nikão ficou fora das partidas contra Corinthians, Ayacucho e Ceará. Somando os problemas físicos com a covid-19, o meia-atacante não esteve à disposição de Rogério Ceni em 12 partidas na temporada.

A situação de Patrick também foi atrapalhada pela questão física. Assim que chegou, o meia sofreu uma lesão no músculo posterior da coxa. Foram oito jogos sem estar à disposição de Rogério Ceni. Desde então, ele tenta recuperar espaço e ter uma sequência com a camisa do São Paulo.

Depois da vitória sobre o Jorge Wilstermann, o meia rebateu as críticas à forma física. “Esse lance da forma física é engraçado. Como hoje joguei bem e fiz gol, não sou gordo. Amanhã, se o time jogar mal e eu for mal, sou gordo. Graças a Deus, o que me conforta é que, quando chego no vestiário, meus números físicos são bons. Então, acho que ao longo dos anos tenho feito bons números”, disse.

Dos reforços que chegaram em janeiro, Nikão e Patrick são os que menos foram titulares com Rogério Ceni. Os dois começaram atuando em 7 e 8 jogos, respectivamente. Números bem diferentes de Alisson (20), Jandrei (24) e Rafinha (20), costumeiramente escolhidos pelo treinador nas partidas mais importantes do São Paulo.

SEGUNDA LEVA TAMBÉM DEMORA PARA ENCAIXAR

Depois do pacotão apresentado em janeiro, o São Paulo fez mais duas contratações antes do fechamento da janela de transferências. O clube trouxe o volante colombiano Andrés Colorado e o meia André Anderson.

O colombiano chegou no fim de fevereiro ao São Paulo, mas ganhou mais espaço em abril. A oscilação de Pablo Maia fez com que Rogério Ceni apostasse em Andrés Colorado para atuar como primeiro volante. Ele foi titular contra Red Bull Bragantino, Santos e Fortaleza.

Contra a equipe cearense, contudo, saiu logo aos 32 minutos por uma lesão muscular na perna direita. Ele ficou fora da lista de relacionados das últimas seis partidas e nem sequer viajou para Santa Catarina para participar da partida contra o Avaí.

O São Paulo contratou André Anderson nos últimos dias da janela de transferências. Como as inscrições para a primeira fase da Copa Sul-Americana já estavam encerradas, o meia não pôde aproveitar o torneio para se encaixar na equipe de Rogério Ceni.

Com apenas o Brasileirão e a Copa do Brasil como opções, André Anderson teve um período de adaptação maior. Inicialmente, Rogério Ceni afirmou que o meia estava com dificuldades para entender como a equipe se comportava taticamente e que precisava de mais tempo para se acostumar.

Antes do jogo contra o Avaí, ele havia atuado apenas cinco vezes pelo São Paulo, mas nunca por mais de 45 minutos.

Fonte: FOLHAPRESS

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima