Destaque, Paraná, Toledo

Segurança alimentar: Toledo se consolida como referência para o Estado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

O trabalho desenvolvido pela Prefeitura de Toledo, com o intuito de garantir a segurança alimentar e nutricional dos toledanos, foi abordado nesta sexta-feira (29) durante o encontro promovido pelo Conselho Regional de Segurança Alimentar e Nutricional (Coresan). As ações desenvolvidas por meio da Unidade Central de Produção de Alimentos foram apresentadas com o intuito de motivar as boas práticas para garantir uma alimentação saudável, envolvendo a cadeia produtiva municipal.

Participaram do evento representantes dos municípios de Toledo, Santa Helena, Mercedes, Quatro Pontes, Palotina, Tupãssi, Pato Bragado, São Pedro do Iguaçu, Marechal Cândido Rondon, Terra Roxa, Assis Chateaubriand, Formosa do Oeste e Guaíra. Anfitrião do encontro, o vice-prefeito Ademar Dorfschmidt, destacou as parcerias do estado com os diversos setores, em especial com as políticas públicas de segurança alimentar. “O município de Toledo é uma referência em vários pontos, e um deles é a segurança alimentar. Além de ‘matar a fome’ das pessoas, alimentar bem nossos munícipes é uma questão de saúde pública”.

Dorfschmidt afirmou que esta demanda recebe muita atenção por parte do poder público e é desenvolvida por meio de uma equipe comprometida e capitaneada por um diretor que também é um entusiasta. “O [Luiz] Bazei é conhecido no Paraná e no Brasil pelo trabalho que faz, da forma que direciona a nossa política de segurança alimentar. Em 2015, quando eu ainda estava na condição de vereador, nós aprovamos a lei que implantava o Dia da Segurança Alimentar. Ele [Bazei] me fez estudar o que significava isso. Hoje sou feliz por saber mais sobre o assunto”.

Atualmente Toledo possui oito restaurantes populares que servem, aproximadamente, 2.400 refeições diariamente, todas produzidas com acompanhamento nutricional. O custo de cada almoço é de R$ 5,00. “Isso faz a diferença para o nosso trabalhador. Mas a nossa política de segurança alimentar e nutricional não se resume a isso. Preparamos lanches para nossos grupos de idosos, todos os eventos oficiais recebem alimentação da Unidade Central de Produção de Alimentos [Cozinha Social], a rede municipal de ensino, entre outras ações”. Isso também movimenta a produção, gera emprego e renda, pois a nossa matéria prima e produtos vem da agricultura familiar.

Todo esse trabalho foi apresentado pelo diretor responsável pelo trabalho. “Nos tornamos uma referência na condução das ações visando a segurança alimentar. Estamos avançando a cada dia nesse quesito e vamos ainda mais além. Temos mais projetos, mais ideias e isso vai auxiliar ainda mais pessoas”, concluiu.

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Rolar para cima